Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Refino de petróleo

O refino do petróleo é um conjunto de processos que visam à transformação do óleo cru (petróleo) em derivados de valor comercial como o diesel, gasolina, GLP, querosene, entre outros. Atualmente, o refino conta com outros processos (esquema de refino) que contribuem para garantir não só o volume necessário à demanda do mercado, mas também a qualidade dos derivados e atendimento as normas vigentes, principalmente as de segurança e meio ambiente.

O petróleo é uma mistura composta de gases, líquidos e sólidos. Possui coloração variando entre verde, marrom e preto, dependendo das características do local onde for extraído. É composto por aproximadamente 90% de hidrocarbonetos, sendo o restante formado pelos chamados contaminantes, como compostos contendo enxofre, íons metálicos (níquel e vanádio), oxigênio e nitrogênio.

Existem diferentes formas de classificar o petróleo. Uma delas seria definir o tipo pelos hidrocarbonetos presentes na mistura: petróleo parafínico, petróleo naftênico, petróleo aromático. Outra classificação muito utilizada se baseia na propriedade física da densidade do petróleo, o grau API, criado pelo American Petroleum Institute (API).

As classificações apresentadas ajudam a traçar o perfil do petróleo que será direcionado para o refino nas refinarias. As características influenciam diretamente nos processos, que são ajustados de forma a obter o perfil de produção necessário para o atendimento do mercado.

O cenário mundial de produção de energia ainda é totalmente dependente dos derivados do petróleo. Nesse contexto, a atividade de refino é essencial para a garantia da independência energética brasileira.  

+ Legislação sobre a atividade de refino de petróleo: 
Resolução ANP n°16/2010

Fim do conteúdo da página
>