Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Gás Liquefeito de Petróleo - GLP

Publicado: Segunda, 12 de Setembro de 2016, 14h22
Atualizado: Terça, 08 de Setembro de 2020, 09h13

A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis regulamenta a qualidade do gás liquefeito de petróleo (GLP).

O gás liquefeito de petróleo (GLP) é o combustível composto essencialmente por dois gases extraídos do petróleo, o butano e o propano, pode também conter, minoritariamente, outros hidrocarbonetos, como o etano. O combustível é incolor e para tornar mais seguro o uso do produto, adiciona-se um composto à base de enxofre, de modo a torná-lo perceptível ao olfato humano em casos de vazamento.

O GLP pode ser produzido em refinarias ou em plantas de processamento de gás natural. Quando oriundo do refino, o craqueamento catalítico fluido (FCC) é o principal processo produtivo do GLP no Brasil. Após produção ou importação, o GLP pode ser armazenado em vasos de pressão denominados esferas de GLP, sendo, em seguida, na revenda, acondicionado na forma líquida em botijões na correspondente pressão de vapor.

O botijão de 13 kg (P13) é usado no consumo residencial para o cozimento de alimentos. O P13 é o recipiente mais usado no Brasil, porém o GLP também pode ser armazenado e distribuído em recipientes que variam de 2 a 90 kg para consumo em áreas industriais e comerciais ou em navios-tanque dedicados ao transporte do produto.

A especificação do GLP no Brasil deve seguir o que estabelece a Resolução ANP nº 18, de 2 de setembro de2004. Os gases liquefeitos de petróleo autorizados pela Agência são classificados em 4 tipos: (i) propano comercial; (ii) butano comercial; (iii) propano/butano e (iv) propano especial (mínimo de 90% de propano e máximo de 5% de propeno).

Adicionalmente, o produtor e importador de GLP deverão disponibilizar a mistura propano/butano observando o limite máximo de 550 Kg/m³ para a característica massa específica a 20°C, durante os meses de junho a agosto, para comercialização nos municípios que constam no Anexo II da Resolução nº 18/2004.

No dia 28 de agosto de 2020, foi publicada a Resolução ANP nº 825/2020, que passará a vigorar somente a partir de 01 de março de 2021, ficando a Resolução ANP nº 18, de 2004, em vigor até 28 de fevereiro de 2021. Com a entrada da nova resolução, destacamos a inclusão de novos municípios que deverão receber GLP inverno com a mistura propano/butano observando o limite máximo de 550 Kg/m³ para a característica massa específica a 20°C, com período do ano ampliado para maio a agosto.

Segue abaixo, a lista completa dos municípios que deverá ser comercializado GLP inverno:

 

  • Minas Gerais

    Bambuí

    Caparaó

    Machado

    São Lourenço

    Lambari

    Poços de Caldas

  • Paraná

    Castro

    Curitiba

    Foz do Iguaçu

    Maringá

    Rio Negro

    Campo Mourão

    Irati

    Ivaí

  • Rio de Janeiro

    Nova Friburgo

  • Rio Grande do Sul

    Bagé

    Bom Jesus

    Caxias do Sul

    Encruzilhada do Sul

    Iraí

    Passo Fundo

    Santa Maria

    Santa Vitória do Palmar

    Bento Gonçalves

    Cruz Alta

    Lagoa Vermelha

    Pelotas

    Rio Grande

    Santana do Livramento

    Torres

    Uruguaiana

  • São Paulo

    Campos do Jordão

    Itapeva

    Catanduva

  • Santa Catarina

    Porto União

    São Joaquim

    Campos Novos

    Chapecó

    Lages

    Urussanga

registrado em:
Assunto(s): GLP , Petróleo e Derivados , gás de cozinha , gás de botijão
Fim do conteúdo da página
>