Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Prêmio ANP de Inovação Tecnológica 2016
Início do conteúdo da página

Prêmio ANP de Inovação Tecnológica 2016

Publicado: Sexta, 02 de Setembro de 2016, 16h42
Atualizado: Sexta, 27 de Abril de 2018, 11h00

  • Edital
  • Finalistas

    Categoria I: Inovação Tecnológica desenvolvida no Brasil por instituição de ciência e tecnologia (ICT) nacional em colaboração com empresa petrolífera

    • PIG Palito para Inspeção de Dutos Submarinos Multisize

      Executores: PUC-Rio e Petrobras
      Descrição: O objetivo do projeto é disponibilizar ferramentas tipo "pigs instrumentados" para a inspeção de dutos submarinos de produção de petróleo e gás em águas profundas.  Os dutos em águas profundas, em especial os do pré-sal, apresentam configurações construtivas que requerem pigs especiais, dada a existência de grandes variações de diâmetro, grandes espessuras em diâmetros pequenos, altas pressões, grandes ranges de temperatura, longos percursos e gás como fluido principal. O projeto é considerado inovador por oferecer ao mercado uma alternativa para a inspeção dos dutos que até então não podiam ser inspecionados, devido à ausência de alternativas nacionais e mundiais.

    • Simulador Marítimo Hidroviário (SMH)

      Executores: USP e Petrobras
      Descrição: O projeto busca desenvolver um centro de simulação para a pesquisa e o estudo de manobras marítimas, portuárias e hidroviárias. O objetivo é prover uma ferramenta robusta para estudos de operações offshore não convencionais, envolvendo múltiplos navios e plataformas, permitindo a previsão de limites ambientais e operacionais com maior segurança.  Considera-se um projeto inovador por ser o primeiro e único centro de simulação de manobras marítimas para estudo e pesquisa de novas operações desenvolvido no Brasil, com contribuições ao estado da arte em diversas áreas de pesquisa, bem como para o aperfeiçoamento das operações marítimas na indústria de petróleo e gás.

    • Sistema com Múltiplos Sensores a Laser para Inspeção de Materiais Compósitos com Shearografia

      Executores: UFSC e Petrobras
      Descrição: O projeto consiste no desenvolvimento de um sistema de inspeção capaz de avaliar a qualidade de reparos de materiais compósitos aplicados em tubulações metálicas bem como a qualidade de adesão de juntas ponta e bolsa em tubulações de materiais compósitos, com portabilidade e robustez para ser aplicado em campo. Por meio da aplicação de um sistema modular com múltiplos sensores a laser, utilizando a técnica interferométrica shearografia, seria possível inspecionar, de forma rápida e em uma única etapa, toda região perimetral de uma junta adesivada ou de um reparo de compósito aplicado em uma tubulação metálica. O sistema de inspeção é inédito devido à utilização de novos instrumentos de medição, múltiplos sensores e por apresentar tamanho compacto, compatível com ambientes de vibração, em inspeções onshore e offshore.

      Categoria II: Inovação Tecnológica desenvolvida no Brasil por micro, pequena ou média empresa do segmento de petróleo, gás natural e biocombustíveis em colaboração com empresa petrolífera

    • Programa de Diagnóstico de Problemas de Perfuração em Tempo Real (PWDa)

      Executores: Engineering Simulation and Scientific Software Ltda (ESSS), UCL, UFRRJ, UTFPR, Petrobras
      Descrição: O projeto PWDa tem por objetivo o desenvolvimento de um programa de interpretação automatizada de dados provenientes de sensores instalados em sistemas de perfuração, buscando detecção imediata de sinais indicativos de situações indesejadas, a fim de que ações corretivas ou preventivas possam ser tomadas. Este é o primeiro software desenvolvido no país com modelos de cálculos transientes para interpretações em tempo real de possíveis problemas operacionais durante a perfuração de poços, auxiliando o processo de tomada de decisão, através de metodologia automatizada de análise de dados com critérios quantitativos, retirando a parte subjetiva da interpretação e identificação de eventos.

    • Tecnologia de Reparo de Linhas Flexíveis Submarinas por Filament Winding

      Executores: ARBRA Engenharia Industrial Ltda. e Petrobras
      Descrição: O objetivo do projeto é desenvolver uma tecnologia para reparo submarino de dutos flexíveis utilizando a técnica de filament winding. A tecnologia permite realizar reparos assistidos por ROV, com acionamentos hidráulicos realizados através de barco de apoio ou lançador de linhas PLSV, não necessitando de mergulhadores nem operações manuais.  A máquina é projetada para operar em lâminas d'água rasas e profundas, e pode haver aplicação de tensões compressivas (de aperto) na região danificada, que possibilita a recomposição estrutural local do duto. Além disso, sua retirada não é necessária, dado que o diâmetro externo e a rigidez da linha não são afetados de forma expressiva.  Segundo os autores, não há no mercado nacional e internacional oferta de tecnologia semelhante que possa recuperar a integridade de dutos flexíveis submarinos em operação.

    • Unidade Móvel Experimental em Reúso de Água

      Executores: EP Engenharia do Processo Ltda. e Petrobras
      Descrição: O projeto tem como objetivo principal implantar de forma piloto a reutilização de água nas unidades de operação da empresa petrolífera, possibilitando a definição das melhores rotas tecnológicas para o tratamento da água e dos efluentes industriais. A unidade móvel de reúso de água e efluentes possui equipamentos em escala piloto, que testam até 90 soluções tecnológicas para tratamento de água e reúso. A estação pode ser movimentada e testar in loco os processos para remoção de sólidos, remoção de carga orgânica, polimento e desmineralização, simulando as condições de funcionamento específicas para as diferentes características da água e efluentes, com vista à produção e reutilização compatível com a água de alta qualidade em sistemas de resfriamento ou geração de vapor, maiores demandantes de água em uma refinaria, por exemplo, atingindo somados à cerca de 80% dos volumes captados.

      Categoria III: Inovação Tecnológica desenvolvida no Brasil por empresa fornecedora de grande porte do segmento de petróleo, gás natural e biocombustíveis em colaboração com empresa petrolífera

    • Bomba Centrífuga Submersa Submarina Instalada em Skid no Leito Marinho (S-BCSS)

      Executores: FMC Technologies Brasil e Petrobras
      Descrição: O projeto tem como objetivo disponibilizar um novo conceito para aplicação da tecnologia de bombeio centrífugo submerso submarino (BCSS) instalado no leito marinho, tendo por motivação principal a redução dos custos de instalação e intervenção/manutenção, quando comparado aos BCSS que operam dentro do poço, integrado à coluna de produção. A tecnologia é aplicável principalmente em poços com baixa razão gás-óleo, cuja aplicação de bombeamento submarino traz benefícios econômicos pelo aumento da vazão da produção. A utilização desta tecnologia permite uma redução nos custos de instalação, retirada e reinstalação.

    • Cimento Autorreparável com CO2

      Executores: Schlumberger Serviços de Petróleo Ltda. e Petrobras
      Descrição: O projeto desenvolveu uma formulação de pasta de cimento para operações de cimentação, tampão e squeeze de poços de petróleo, que oferecesse maior segurança em ambiente de CO2. O aumento da garantia da integridade do poço na presença de CO2 – presente no reservatório ou injetado no poço para recuperação secundária – ocorre pelo fechamento de fissuras e/ou microanulares no cimento solidificado pelo contato com CO2, que acionaria o efeito de autorreparação no próprio cimento.  A existência de espaços microanulares e fissuras na matriz do cimento no poço de petróleo cria percursos preferenciais para que o CO2 migre, podendo afetar a integridade do poço. A presença de um componente no material cimentante que se expanda com o fluido contendo CO2 permite restabelecer a integridade da matriz de cimento e consequentemente dos poços. A tecnologia pode ser aplicada para cimentar poços em reservatórios que naturalmente contenham CO2 associado aos fluidos de formação, como é o caso dos poços do pré-sal no Brasil, ou em poços em que CO2 é injetado, armazenado ou extraído.

    • Otimização do Processo de Perfuração no Pré-Sal

      Executores: Schlumberger Serviços de Petróleo e Petrobras
      Descrição: O objetivo do projeto é a redução dos custos de construção de poços offshore por meio do desenvolvimento do cortador de diamante cônico (CDE, sigla em inglês), que é uma nova tecnologia com maior resistência ao impacto e abrasão quando comparado aos cortadores PDC tradicionais. O projeto englobou o desenvolvimento de cinco protótipos de broca utilizando essa tecnologia, sendo a empresa petrolífera pioneira em seu uso em campo. O conceito de broca híbrido, composto por elementos de corte CDE e PDC, oferece uma nova solução inédita e específica para superar as incertezas geológicas do pré-sal brasileiro e seus carbonatos, bem como uma série de desafios de perfuração. Além disso, a primeira corrida utilizando os elementos cônicos de diamante (CDE, sigla em inglês) como elemento de corte na aleta da broca foi realizada no Brasil.

  • Vencedor Categoria I - Inovação Tecnológica Desenvolvida no Brasil por Instituição de Ciência e Tecnologia (ICT) Nacional em Colaboração com Empresa Petrolífera

    Projeto: Pig Palito para Inspeção de Dutos Submarinos Multisize

    Autoria do projeto: PUC-Rio e Petrobras

    Descrição do projeto: O projeto disponibiliza ferramentas tipo "pigs instrumentados" para a inspeção de dutos submarinos de produção de petróleo e gás em águas profundas. Os dutos em águas profundas, em especial os do pré-sal, apresentam configurações construtivas que requerem pigs especiais, dada a existência de grandes variações de diâmetro, grandes espessuras em diâmetros pequenos, altas pressões, grandes ranges de temperatura, longos percursos e gás como fluido principal. O projeto é inovador por oferecer ao mercado uma alternativa para a inspeção dos dutos, que até então não podiam ser inspecionados devido à ausência de alternativas nacionais e mundiais.

    Vencedores da Categoria I recebem o Prêmio ANP de Inovação Tecnológica 2016

  • Vencedor Categoria II - Inovação Tecnológica desenvolvida no Brasil por Micro, Pequena ou Média Empresa do Segmento de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis em Colaboração com Empresa Petrolífera

    Projeto: Programa de Diagnóstico de Problemas de Perfuração em Tempo Real (PWDa)

    Autoria do Projeto: Engineering Simulation and Scientific Software Ltda (ESSS); Ensino Superior Unificado Centro Leste (UCL), Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ); Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR); Petrobras

    Descrição do projeto: O projeto PWDa tem por objetivo desenvolver programa de interpretação automatizada de dados provenientes de sensores instalados em sistemas de perfuração, buscando detecção imediata de sinais indicativos de situações indesejadas, a fim de permitir a tomada imediata de ações corretivas ou preventivas. Este é o primeiro software desenvolvido no País com modelos de cálculos transientes para interpretações em tempo real de possíveis problemas operacionais durante a perfuração de poços, auxiliando o processo de tomada de decisão, por meio de metodologia automatizada de análise de dados com critérios quantitativos, retirando a parte subjetiva da interpretação e identificação de eventos.

    Vencedores da Categoria II recebem o Prêmio ANP de Inovação Tecnológica 2016

  • Vencedor Categoria III - Inovação Tecnológica desenvolvida no Brasil por Empresa Fornecedora de Grande Porte do Segmento de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis em Colaboração com Empresa Petrolífera

    Projeto: Cimento Autorreparável com CO2.

    Autoria do projeto: Schlumberger Serviços de Petróleo Ltda. e à Petróleo Brasileiro S.A. – Petrobras

    Descrição do projeto: O projeto consiste na formulação de pasta de cimento para operações de cimentação, tampão e squeeze de poços de petróleo, que oferece mais segurança em ambiente de CO2. O aumento da garantia da integridade do poço na presença de CO2 – presente no reservatório ou injetado no poço para recuperação secundária – ocorre pelo fechamento de fissuras e/ou microanulares no cimento solidificado pelo contato com CO2, que acionaria o efeito de autorreparação no próprio cimento. A existência de espaços microanulares e fissuras na matriz do cimento no poço de petróleo cria percursos preferenciais para que o CO2 migre, podendo afetar a integridade do poço. A presença de um componente no material cimentante que se expanda com o fluido contendo CO2 permite restabelecer a integridade da matriz de cimento e consequentemente dos poços. A tecnologia pode ser aplicada para cimentar poços em reservatórios que naturalmente contenham CO2associado aos fluidos de formação, como é o caso dos poços do pré-sal no Brasil, ou em poços em que CO2 é injetado, armazenado ou extraído.

    Vencedores da Categoria III recebem o Prêmio ANP de Inovação Tecnológica 2016

     

  • Menção Especial Inovação Tecnológica

    Projeto: Sistema Automático de Amostragem Contínua em Linha Para Mistura de Combustíveis Líquidos

    Autoria do projeto: Diego Rocha Rebelo – servidor da ANP

    Colaboradores: Roberto Saldys e Laura Soares

    Descrição resumida: O sistema automático de amostragem busca minimizar os problemas presentes na amostragem manual atualmente utilizada nas distribuidoras de combustíveis, na coleta de amostras-testemunha. O sistema é inserido na tubulação de carregamento dos combustíveis da distribuidora e coleta, contínua e proporcionalmente à vazão da mistura, a amostra-testemunha. Seu uso deverá minimizar o tempo das coletas de amostras e de homogeneização da mistura, carregada por meio da aplicação de técnicas de engenharia de controle e de um misturador estático.

    Personalidade Inovação do Ano

    Em 2016, a homenagem vai para Osvair Vidal Trevisan, por sua contribuição à pesquisa, ao desenvolvimento tecnológico e à inovação no setor energético brasileiro. Com extenso currículo na área de tecnologia, é atualmente professor titular da Unicamp. Foi superintendente de Exploração da ANP de 1998 a 2003 e diretor do Centro de Estudos de Petróleo (Cepetro/Unicamp) de 2007 a 2014.

 

 

 

Fim do conteúdo da página
>