Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Pesquisa, desenvolvimento e inovação > Prêmio ANP de Inovação Tecnológica
Início do conteúdo da página

Prêmio ANP de Inovação Tecnológica 2019

O Prêmio ANP de Inovação Tecnológica tem como objetivo reconhecer e premiar os resultados associados a projetos de pesquisa, desenvolvimento e inovação (P,D&I), que representem inovação tecnológica para o setor de petróleo, gás natural e biocombustíveis, desenvolvidos no Brasil por instituições de pesquisa credenciadas pela ANP, empresas brasileiras e empresas petrolíferas, com recursos da Cláusula de PD&I presente nos contratos de Exploração e Produção (E&P).

 


Vencedores do Prêmio ANP de Inovação Tecnológica 2019 / Crédito: Divulgação ANP

 

Edital 2019

As regras do Prêmio ANP de Inovação Tecnológica 2019 estão dispostas no Edital.

+Edital completo
+Termo Aditivo nº 1 - Prorrogação do prazo de Inscrição

 

Cerimônia de Entrega do Prêmio

A ANP realizou em 28/11 a cerimônia de entrega do Prêmio ANP de Inovação Tecnológica 2019, no Rio de Janeiro. Nas cinco categorias do Prêmio, concorreram 147 resultados de projetos de cinco empresas petrolíferas, mais de outras 20 empresas brasileiras de tecnologia e mais de 40 instituições credenciadas com diversas unidades laboratoriais.

+ Veja mais informações sobre a entrega do Prêmio
+ Veja o álbum de fotos da cerimônia de entrega do Prêmio
+ Veja o vídeo da cerimônia

  • Vencedores

    CATEGORIA I: Resultado associado a projeto(s) desenvolvido(s) exclusivamente por Instituição Credenciada, em colaboração com Empresa Petrolífera, na área temática geral “Exploração e Produção de Petróleo e Gás”

    Título: Captura e armazenamento de dióxido de carbono (CCS) e purificação de gases associados (LNG) na produção de petróleo em águas ultraprofundas através do processo de produção de hidratos dos gases

    Empresa petrolífera: Petrogal
    Instituições: USP – Escola politécnica e Unicamp
    Resumo: O objetivo é uma solução industrial, real e concreta para a captura e armazenamento de CO2 e purificação de CH4, com instalações industriais de tamanho reduzido, nas plataformas FPSO. Procurou-se uma tecnologia que fosse compacta, optando por micro-misturadores estáticos, o que demonstrou a capacidade de intensificação de mistura, troca térmica e energia de trabalho. A integração de processo se dá pela flexibilidade nas configurações das correntes, o que permite um uso intenso dos equipamentos principais e dos seus auxiliares como turbinas compressores e trocadores de calor para resfriamento. Como resultados técnicos, já se tem a produção demonstrativa de hidratos em bancada e em piloto, e um projeto da unidade industrial acima de provas de conceitos, com muitas características de projetos básicos, necessário para demonstrar a diferença entre as rotas baseadas em absorção (aminas, líquidos iônicos e outros) ou membranas, e este processo compacto é capaz de atender a toda a produção de gases, sem necessidade de reinjeção nos poços, e sem outras.


    CATEGORIA II: Resultado associado a projeto(s) desenvolvido(s) por Empresa Brasileira, com ou sem participação de Instituição Credenciada, em colaboração com Empresa Petrolífera, na área temática geral “Exploração e Produção de Petróleo e Gás”

    Título: Sistema Armazenamento e Separação Gravitacional de CO2 e CH4 em Cavernas de Sal Construídas em ambiente Offshore de Águas Ultra Profundas no Brasil

    Empresa petrolífera: Shell
    Instituição: USP - RCGI
    Empresas: Modecom, Technomar, Argonautica, Granper

    Resumo: O projeto está dividido em duas fases: a primeira tem como objetivo primário estudar o desenvolvimento de uma tecnologia / procedimento de armazenamento / descarte de gás natural com alto teor de CO2 em cavernas abertas em rocha salina pelo método de lixiviação por tempo indeterminado (CCS), na região do pré-sal. Numa segunda fase será estudado o procedimento de extração, por separação gravitacional de dióxido de carbono presente em grandes quantidades no gás natural produzido nos reservatórios do pré-sal. O desenvolvimento da primeira fase do projeto possibilitará que o CO2 não seja reinjetado nos reservatórios, evitando que estes sejam constantemente retroalimentados pelo contaminante. Já na segunda fase, a separação gravitacional dará valor econômico adicional ao sistema uma vez que possibilitará a monetização do GN separado no interior da caverna. A proposta é utilizar, sempre que possível, toda a infraestrutura já disponível nos sistemas de produção para realizar todas as etapas de desenvolvimento da tecnologia.


    CATEGORIA III: Resultado associado a projeto(s) desenvolvido(s) por Instituição Credenciada e/ou Empresa Brasileira, em colaboração com Empresa Petrolífera, na área temática geral “Transporte, Dutos, Refino, Abastecimento e Biocombustíveis”

    Título: Centro de Simulações de Manobras do Tanque de Provas Numérico da USP aplicado à Busca de Soluções para Escoamento da Produção de Petróleo e Gás Brasileira

    Empresa petrolífera: Petrobras
    Instituição: USP – TPN
    Empresa: Transpetro

    Resumo: O projeto envolveu o desenvolvimento de um Centro de Simulação inovador para a pesquisa e estudo de manobras marítimas, portuárias e hidroviárias. O centro conta com seis simuladores de passadiço integrados, dois deles do tipo Full-Mission, adequáveis para representar diversos tipos de embarcação, como petroleiros convencionais, petroleiros DP, navios de suporte (PSV, AHTS), plataformas e navios sonda e rebocadores, um simulador de guindaste offshore e um simulador de sala de controle de lastro de plataformas. O objetivo é prover um ambiente completo para o estudo de operações marítimas não convencionais, tais como atracação a contrabordo, transferência em ship-to-ship, operação offshore multi-corpos (perfuração e alívio com suporte de embarcação de apoio por exemplo), definição da eficiência de rebocadores em ambientes com fortes agentes ambientais, análise de manobras em águas muito rasas e restritas etc.


    CATEGORIA IV: Resultado associado a projeto(s) desenvolvido(s) por Instituição Credenciada e/ou Empresa Brasileira, em colaboração com Empresa Petrolífera, na área temática específica “Segurança, Meio Ambiente e Saúde - SMS”

    Título: Tecnologias verdes para a reciclagem de polímeros da indústria do petróleo: transformando resíduos em matérias-primas de valor para a cadeia produtiva

    Empresa petrolífera: Petrobras
    Instituições: UFRJ – IMA, UFRJ - Escola de Química, UFPE - Lateclim

    Resumo: A inovação tecnológica consiste em processo de despolimerização e posterior reciclagem de embalagens e demais materiais a base do polímero poli (tereftalato de etileno) (PET), que é ambientalmente amigável e aderente aos princípios de engenharia verde. Nas configurações de processo desenvolvidas, a despolimerização é catalisada por enzimas, por catalisadores químicos, ou por combinação destes, que levam a uma conversão do polímero em seus monômeros. Os processos consistem em reações em batelada, em que o polímero moído entra em contato com o catalisador, em fase aquosa (reação de hidrólise) ou em fase orgânica (reação de glicólise), havendo a liberação dos monômeros, ácido tereftálico (TPA) e o monoetileno glicol (MEG) (no caso da hidrólise) ou tereftalato de bis (2-hidroxietila) (no caso da glicólise). O uso de um catalisador de origem biológica (enzima), que é biodegradável e que consegue promover a despolimerização do PET em condições brandas de temperatura e pressão, torna o processo totalmente sustentável, de condução segura e que não gera resíduos tóxicos ao meio ambiente e ao ser humano. Já os catalisadores químicos agregam eficiência e rapidez ao processo, ao passo que foi possível se chegar a conversões da ordem de 96% em apenas 15 min de reação.


    CATEGORIA V: Resultado associado a projeto(s) desenvolvido(s) por Instituição Credenciada e/ou Empresa Brasileira, em colaboração com Empresa Petrolífera, na área temática específica “Indústria 4.0”

    Título: OtimRota - Ferramenta Computacional para Projeto Conceitual e Otimização de Sistemas Submarinos

    Empresa petrolífera: Petrobras
    Instituições: UFRJ - LAMCSO, USP - NDF, PUC-Rio - Tecgraf

    Resumo: Alinhado à inclusão da transformação digital nos projetos na área submarina, o OtimRota surge como uma ferramenta computacional para auxiliar o engenheiro na elaboração, avaliação e comparação de projetos conceituais otimizados de sistemas submarinos. A ferramenta gera automaticamente alternativas para a locação da plataforma, e para a arquitetura e a disposição espacial dos diversos tipos de equipamentos submarinos (árvores de natal, manifolds, UTAs e outros). Em suma, o OtimRota engloba novas metodologias para automatizar a síntese de sistemas submarinos, levando à maximização do valor gerado pelo sistema de produção, obtendo arranjos otimizados, avaliados por critérios de engenharia e de custos (CAPEX, OPEX, ABEX). Isto fornece benefícios importantes em termos de projetos mais eficientes, obtidos em menor tempo, com aumento na eficiência e produção durante operação do sistema submarino, e significativa redução dos custos associados.


    Personalidade Inovação do Ano 2019:

    A homenagem foi concedida ao engenheiro Marcelo Gattass, pela contribuição à pesquisa, ao desenvolvimento tecnológico e à inovação no setor energético brasileiro. Gattass é diretor do Instituto Tecgraf de Desenvolvimento de Software Técnico Científico da PUC-Rio, onde coordena, por ano, mais de 30 contratos de cooperação universidade-empresa nas áreas de modelagem e visualização computacional. Professor titular do Departamento de Informática da PUC-Rio desde 1992, tem experiência na área de Ciência da Computação, com ênfase em Processamento Gráfico, atuando principalmente nos seguintes temas: Visualização, Simulação Numérica, Realidade Aumentada, Modelagem Geométrica e Visão Computacional. Pesquisa atualmente nas áreas de Realidade Aumentada e Visualização Científica. Possui graduação (1975) e mestrado (1977) em Engenharia Civil pela PUC-Rio e doutorado Ph.D. (1982) em Engenharia Civil pelo Programa de Computação Gráfica da Cornell University, EUA. Liderança no desenvolvimento de relevantes projetos de sistemas computacionais para as áreas de geofísica, geologia, reservatórios, meio ambiente e logística.


    Menção Honrosa 2019:

    A menção honrosa este ano foi concedida a Marcos Isaac Assayag, considerando seu relevante reconhecimento profissional no setor da indústria brasileira de óleo e gás. Assayag ingressou na Petrobras em 1975 e, após um curso em Engenharia de Equipamentos, trabalhou em projetos de facilidades de produção. Em 1982, transferido para o Cenpes. Foi, entre 1989 e 2002, sucessivamente,coordenador do Procap-1000, 2000 e 3000. Entre 2002 e 20016, quando se aposentou da Petrobras, exerceu diversas posições executivas ligadas a equipamentos e engenharia. Como líder dos bem-sucedidos programas Procap da Petrobras, Assayag, em conjunto com sua equipe, desenvolveu processos tecnológicos que permitiram à empresa produzir em águas de até 2000 metros, bem como estabeleceu as bases para levar à produção até a profundidade de 3000 metros. Parte dessas tecnologias continuam hoje sendo utilizadas para a produção dos campos do Pré-sal brasileiro. Recebeu o reconhecimento internacional em 2007, quando foi agraciado com o “Distinguished Achievement Award for Individuals”, da OTC.

  • Finalistas

    Lista de finalistas por categoria em ordem alfabética do título

    CATEGORIA I: Resultado associado a projeto(s) desenvolvido(s) exclusivamente por Instituição Credenciada, em colaboração com Empresa Petrolífera, na área temática geral “Exploração e Produção de Petróleo e Gás”

    - Título: Annelida - Unidade Robótica Remotamente Controlada para Quebra de Hidratos e Remoção de Parafinas sem Sonda em Dutos Rígidos e em Linhas Flexíveis não Pigáveis

    Empresa Petrolífera: Petrobras
    Instituições: USP - ICMC, UFRGS - Lamecc, UFRGS - INF, Senai - ISI Pollímeros, Senai - ISI Sistemas Embarcados

    Resumo: Desenvolvimento do robô Annelida, uma unidade robótica remotamente controlada para realizar a Quebra de Hidrato e a Remoção de Parafina Sem Sonda em Dutos Rígidos e em Linhas Flexíveis Não Pigáveis. Esse robô é inserido na linha a partir da plataforma, se desloca até a obstrução utilizando um mecanismo peristáltico com sistema de auto-travamento, realiza a remoção do hidrato ou parafina através de uma reação local controlada de aquecimento, retorna para a plataforma e é recolhido. Isso possibilita uma redução de centenas de milhões de reais em diárias de sonda e de bilhões na redução do lucro cessante.

    Ao longo desse projeto, foram desenvolvidas diversas tecnologias, para as diferentes funcionalidades e aspectos: 1) Sistema e Método para Intervenção em Dutos Rígidos e em Linhas Flexíveis Não Pigáveis através de uma Unidade Robótica Autopropulsada; 2) Sistema Para Aquecimento Controlado Através de uma Reação Química com Controle em Malha Fechada; 3) Sistema para Transmissão de Carga Através de uma Camada Externa de Fibra Aramida; 4) Vasos de Pressão em Fibra de Carbono para Proteção da Eletrônica Embarcada; 5) Cabo Umbilical com Densidade Próxima do Meio e Baixo Coeficiente de Atrito com o aço; 6) Sistema Para Acesso a Linhas Flexíveis; 7) Sistema Peristáltico com Mecanismo de Auto-Travamento para Deslocamento sob Elevadas Cargas de Tração; 8) Sistema para Reconstrução de Trajetória em Ambiente com Sensoriamento Limitado; 9) Sistema para Visualização do Robô Através de Realidade Virtual; 10) Sistema de Controle de Liberação do Cabo Umbilical em Sincronia com a Movimentação do Robô; 11) Sistema Embarcado para Controle e Comunicação do Robô; 12) Sistema Eletrônico de Sensoriamento, com Controle Semiautônomo e a Prova de Falhas do robô; 13) Sistema de Terminação do Cabo Umbilical para vias elétricas, hidráulicas e de fibra ótica em Tamanho Reduzido; 14) Processo Integrado de Análise de Risco assistido por Modelos Estatísticos e Simulações.

    Os diferentes sistemas foram inicialmente desenvolvidos e avaliados teoricamente. A seguir, foram realizadas provas de conceito. Finalmente, os sistemas foram Testados Experimentalmente, com resultados positivos. Esses desenvolvimentos deram origem a 14 novas tecnologias.

     

    - Título: Captura e armazenamento de dióxido de carbono (CCS) e purificação de gases associados (LNG) na produção de petróleo em águas ultraprofundas através do processo de produção de hidratos dos gases

    Empresa Petrolífera: Petrogal
    Instituições: USP – Escola politécnica, Unicamp

    Resumo: Objetivo é uma solução industrial, real e concreta, para a captura e armazenamento de CO2 e purificação de CH4, com instalações industriais de tamanho reduzido, nas plataformas FPSO.

    Método é um processo modular, em série para composição final 0,5% CO2 v/v na eficiência de retenção de 70% por equipamento, e em paralelo para atingir escalonamento industrial. Este processo pode sequestrar hidratos CH4 separados de CO2. Base do processo é a produção de hidratos, aproveitando a seletividade hidratos de CO2 e CH4. Procurou-se uma tecnologia que fosse compacta, optando por tecnologia de micro-misturadores estáticos, o que demonstrou a capacidade de intensificação de mistura, troca térmica, e energia de trabalho. A integração de processo se dá pela flexibilidade nas configurações das correntes, o que permite um uso intenso dos equipamentos principais e dos seus auxiliares como turbinas compressores e trocadores de calor para resfriamento. Como resultados técnicos, já se tem a produção demonstrativa de hidratos em bancada e em piloto, e um projeto da unidade industrial acima de provas de conceitos, com muitas características de projetos básicos, necessário para demonstrar a diferença entre as rotas baseadas em absorção (aminas, líquidos iônicos e outros) ou membranas, e este processo compacto é capaz de atender a toda a produção de gases, sem necessidade de reinjeção nos poços, e sem outras.

    Os impactos são para o setor nacional todo de Petróleo. De ponto de vista de inovação, a tecnologia mostra a produção de hidratos diferente dos existentes (CSTR e outros), atende a gases associados que tenham 42,79%, 44,20%, 48,50% e 77,83 % de CO2 v/v, e mostra impacto em negócios, ao conseguir monetizar assim os gases associados, sem necessidade de reinjetar o excedente de consumo próprio na FPSO, e se conveniente, pode reintroduzir como sólidos sem uso de pressão de 200 atm. Reduz uma parte crítica da negociação entre setor de Petróleo e de Meio-Ambiente. Para melhorar o processo, foi necessário entender com detalhes a sua termodinâmica de gases, líquidos e hidratos, formas de medir e caracterizar os produtos, gerar curvas de operação e características do sistema de modo a ter <0.5% de CO2 final, estabilizar hidratos por microcamadas de gelo, e ao entender e medir a formação, igualmente entende-se as diferentes formas da sua dissociação. Portanto esse CO2 quase puro tem valor comercial direto, mas merece estudos de produção de combustíveis sintéticos a partir de CO2 que não sejam bioprocessos. CH4 torna-se facilmente transportável, e pode obter gás dissociado para conversão em gás liquefeito, mas o próprio hidrato pode ter valor como gelo combustível. Criado para pré-combustão, pode ser aplicado também a pós-combustão (flue gas) ou para biogás.

     

    - Título: Desenvolvimento e Gerenciamento de Campos de Petróleo por meio da Simulação Numérica de Reservatórios – Rede SIGER

    Empresa Petrolífera: Petrobras
    Instituição: Unicamp - Cepetro

    Resumo: O desenvolvimento e gerenciamento de reservatórios é uma das áreas mais importantes para as empresas de petróleo, que possibilita entre outros objetivos, aumentar o lucro e a produção de petróleo, gerenciar fluidos produzidos e controlar injeção, sendo que a simulação numérica de reservatórios é a ferramenta mais importante nesse contexto. O objetivo central desse projeto de pesquisa é o desenvolvimento, aplicação e avaliação de metodologias para aumento da produtividade, da qualidade e do escopo das técnicas de simulação numérica para estudos de reservatórios, com foco em aplicações práticas em campos de petróleo brasileiros, principalmente campos marítimos com foco nos campos do pré-sal. Foi proposto um conjunto de metodologias inovadoras para sistematizar todo o processo de caracterização, desenvolvimento e gerenciamento de reservatórios em malha fechada, tornando-o menos subjetivo e menos dependente da intuição e procedimentos informais, permitindo subsidiar de forma estruturada tomadas de decisão de melhor qualidade e com menor risco.

     

    CATEGORIA II: Resultado associado a projeto(s) desenvolvido(s) por Empresa Brasileira, com ou sem participação de Instituição Credenciada, em colaboração com Empresa Petrolífera, na área temática geral “Exploração e Produção de Petróleo e Gás”

    - Título: Nova Geração de Equipamentos Submarinos – Desenvolvimento de Árvore de Natal Molhada Compacta

    Empresa Petrolífera: Shell
    Empresa: TechnipFMC

    Resumo: Foi criado o programa para o desenvolvimento de uma nova geração de produtos liderado pelo Brasil, no qual o foco era o desenvolvimento de equipamentos submarinos com uma redução significativa de custo e prazo de entrega, isso foi possível através do estudo da aplicação de novos materiais, simplificação, eliminação de desperdícios e integração. A premissa era atender as funcionalidades necessárias às operadoras. Este programa teve como objetivo viabilizar o desenvolvimento de campos de petróleo, em um cenário com baixos preços do barril de petróleo, através da redução de custo de equipamentos submarinos críticos como árvore de natal molhada. Com a qualificação obtida ao longo do desenvolvimento do projeto, componentes e subcomponentes para os sistemas submarinos tiveram agora uma redução significativa de tamanho e peso, possibilitando a redução de custos de fabricação, como também a redução de custos com instalações e montagens e reduzindo drasticamente o prazo de entrega.

    Este projeto de Inovação Tecnológica culminou com a fabricação de uma Árvore de Natal Molhada Compacta, de baixo custo, que encontra-se pronta para instalação e operação em campo, atendendo a todos os requisitos conforme descrito em normas internacionais.

     

    - Título: Sistema Armazenamento e Separação Gravitacional de CO2 e CH4 em Cavernas de Sal Construídas em ambiente Offshore de Águas Ultra Profundas no Brasil

    Empresa Petrolífera: Shell
    Instituição: USP - RCGI
    Empresas: Modecom, Technomar, Argonautica, Granper

    Resumo: O projeto está dividido em duas fases: a primeira tem como objetivo primário estudar o desenvolvimento de uma tecnologia / procedimento de armazenamento / descarte de gás natural com alto teor de CO2 em cavernas abertas em rocha salina pelo método de lixiviação por tempo indeterminado (CCS), na região do pré-sal. Numa segunda fase será estudado o procedimento de extração, por separação gravitacional de dióxido de carbono presente em grandes quantidades no gás natural produzido nos reservatórios do pré-sal.

    Funcionalidades e Principais aspectos: O desenvolvimento da primeira fase do projeto possibilitará que o CO2 não seja reinjetado nos reservatórios, evitando que estes sejam constantemente retroalimentados pelo contaminante. Já na segunda fase a separação gravitacional dará valor econômico adicional ao sistema uma vez que possibilitará a monetização do GN separado no interior da caverna. A proposta é utilizar, sempre que possível, toda a infraestrutura já disponível nos sistemas de produção para realizar todas as etapas de desenvolvimento da tecnologia.

    Avanço tecnológico no setor: A tecnologia do presente projeto possibilitará uma maior taxa de extração e uma maior vida útil dos poços de campos com alto teor de CO2, uma vez que possibilitará que o contaminante não seja necessariamente reinjetado e possibilitará que grandes volumes de GN sejam tratados a um custo muito inferior a atual tecnologia de membranas, que ainda apresenta limitação para tratamento de grandes volumes.

     

    - Título: Sistema Nautilus - sistema submarino de armazenamento e injeção de produtos químicos

    Empresa Petrolífera: Repsol Sinopec
    Instituições: UFRJ - LMSCP, UFRJ - LPCM e UFRJ - LEMT
    Empresa: Geoprober

    Resumo: O sistema proposto neste projeto visa desenvolver um sistema submarino de armazenamento e injeção de produtos químicos utilizados na produção de petróleo offshore. O desenvolvimento desse sistema, além ser uma quebra de paradigma da indústria, terá grande impacto nos custos e riscos operacionais. Isto se dá pela utilização de uma combinação inovadora de técnicas de bombeio eletro-hidráulico e de controle e automação. Essa combinação viabiliza a injeção de químicos e promove pressão hidráulica necessária para a operação de válvulas da árvore de natal molhada (ANM), dentre outros equipamentos instalados no fundo do mar, de maneira mais econômica e eficiente.

    O sistema Nautilus é constituído por uma série de bombas de baixa vazão, movidas individualmente por motores elétricos, conectadas a um pequeno manifold, capaz de rotear os produtos químicos para diferentes pontos de injeção na ANM. A montante do sistema, conectam-se tanques de estocagem submarina, também localizados no leito marinho em proximidade à ANM, que substituirá os tanques instalados nas unidades topside. Os sistemas de estocagem serão periodicamente substituídos com o uso de barcos de serviço e o auxílio de ROVs (Remotely Operated Vehicle).

    O sistema utiliza componentes eletrônicos resistentes à pressão hidrostática, possibilitando o seu emprego em águas ultra profundas (até 3.000m) com mínimo aumento de custo, frente a um projeto comparável localizado em águas rasas. A pesquisa em eletrônica tolerante à pressão coloca esse projeto na vanguarda do desenvolvimento de tecnologia submarina, com potencial de aplicação em diversas outras áreas da engenharia submarina. Além disso, a utilização de produtos químicos em mais alta concentração foi identificada como possível ponto de melhora. Isso possibilita um aumento de densidade e, por sua vez, diminui o volume das estruturas de estocagem, reduzindo os custos de material e de instalação para o Operador.

     

    CATEGORIA III: Resultado associado a projeto(s) desenvolvido(s) por Instituição Credenciada e/ou Empresa Brasileira, em colaboração com Empresa Petrolífera, na área temática geral “Transporte, Dutos, Refino, Abastecimento e Biocombustíveis”

    - Título: Centro de Simulações de Manobras do Tanque de Provas Numérico da USP aplicado à Busca de Soluções para Escoamento da Produção de Petróleo e Gás Brasileira

    Empresa Petrolífera: Petrobras
    Instituição: USP - TPN
    Empresa: Transpetro

    Resumo: O projeto envolveu o desenvolvimento de um Centro de Simulação inovador para a pesquisa e estudo de manobras marítimas, portuárias e hidroviárias. O centro conta com 6 simuladores de passadiço integrados, dois deles do tipo Full-Mission, adequáveis para representar diversos tipos de embarcação, como petroleiros convencionais, petroleiros DP, navios de suporte (PSV, AHTS), plataformas e navios sonda e rebocadores, um simulador de guindaste offshore e um simulador de sala de controle de lastro de plataformas. O objetivo é prover um ambiente completo para o estudo de operações marítimas não convencionais, tais como atracação a contrabordo, transferência em ship-to-ship, operação offshore multi-corpos (perfuração e alívio com suporte de Embarcação de Apoio por exemplo), definição da eficiência de rebocadores em ambientes com fortes agentes ambientais, análise de manobras em águas muito rasas e restritas etc. O programa principal de simulação que é executado nos simuladores do Centro é o SMH (Simulador Marítimo Hidroviário). O programa de simulação de manobras conta com modelos matemáticos calibrados e amparados em ensaios experimentais e em escala real, e as cabines de simulação possuem um sistema de visualização imersivo e com grande realismo. Os modelos matemáticos permitem a representação fiel das características de mar brasileiros, com a bimodalidade típica (mar associado a swell), mudanças abruptas de condições (associadas a entradas de frentes frias) e desalinhamento entre agentes ambientais. As simulações são controladas por comandantes de navios e rebocadores, mooring-masters e práticos, permitindo que o fator humano e a experiência operacional sejam levados em conta nas análises das novas soluções, aliando-se a teoria com a prática na busca de soluções eficientes e seguras. O Centro de Simulações do Tanque de Provas Numérico da USP já realizou 135 estudos de simulação em portos e bacias brasileiras, dentre estes 12 estudos para escoamento de gás, 41 operações ship-to-ship de petróleo e 8 operações offshore de transferência (alívio) e 14 para aumento da capacidade operacional de terminais de petróleo existentes.

     

    - Título: Desenvolvimento de um Método de Dimensionamento de Pavimentos Asfálticos - SDIMPA - UFRJ

    Empresa Petrolífera: Petrobras
    Instituições: UFRJ – Coppe - LABGEO, UFRGS - LAPAV, UFSM - LMCC, UFSC - LabPavi, UFPR - LAMP, USP - LTP, UFJF – L. Pavimentação, IME, UFCG - LEP, UFC - LMP, UFG - LabGeo, DNIT - IPR

    Resumo: O objetivo desta tecnologia, desenvolvida em âmbito nacional, é possibilitar o dimensionamento de pavimentos asfálticos de maneira mecanístico-empírica, considerando as propriedades dos diversos materiais utilizados na pavimentação (asfaltos, agregados minerais, solos, materiais reciclados, entre outros), as condições climáticas e as cargas do tráfego, de maneira racional. Consiste num procedimento onde os materiais de pavimentação são avaliados em laboratório para obtenção das propriedades mecânicas (rigidez, vida de fadiga e resistência à deformação plástica). Obtendo-se tais propriedades, bem como informando dados de tráfego e climáticos, o framework desenvolvido analisa as respostas estruturais do pavimento, prevendo a sua durabilidade, e assim definindo as espessuras e os materiais adequados para que o pavimento em análise tenha a vida de serviço esperada. Tal tecnologia está calibrada para as condições brasileiras, sendo capaz de considerar as especificidades de clima e de materiais regionais, ao mesmo tempo fazendo análises de confiabilidade dos projetos, já que a sua capacidade preditiva foi definida durante a calibração nacional. Vale destacar que este novo método de dimensionamento de pavimentos pode ser utilizado na análise de pavimentos novos ou restaurados, e, por ter base mecanística, permite a adoção de materiais reciclados e/ou novos (asfaltos modificados, misturas mornas, bases tratadas com cimento, entre outros) no projeto de pavimentos.

     

    - Título: O uso da tecnologia de micro-ondas no melhoramento de petróleos pesados e de destilados médios

    Empresa Petrolífera: Petrobras
    Instituições: IPEN-CNEN/SP - LABTAR e UERJ

    Resumo: O objetivo desta pesquisa foi estudar o uso de uma tecnologia alternativa e inovadora, como processamento de combustíveis com micro-ondas (MO), que possuem como principal vantagem, o aquecimento mais rápido de determinados materiais. Em projetos anteriores foram fabricadas e montadas duas unidades reacionais em escala de bancada para hidrogenação de cargas (batelada e contínuo), além de infraestrutura laboratorial para processamento com estas unidades. A unidade de batelada foi utilizada para retirada de dados preliminares que resultaram na fabricação de um reator e sistema continuo de hidroprocessamento de hidrocarbonetos assistido por micro-ondas (denominada - Unidade Contínua de HDT.

    Neste projeto o objetivo geral foi: 1- Redução-Remoção de Enxofre e Nitrogênio, presentes em destilados médios de petróleo nacionais, utilizando a técnica de micro-ondas; 2- Redução da acidez naftênica de petróleos pesados nacionais, utilizando a técnica de micro-ondas.

    Objetivos Específicos: Realização de testes de bancada assistidos por micro-ondas, utilizando sistemas projetados, desenvolvidos e construídos pelo IPEN-CNEN/SP X CENPES-Petrobras/SP; 1. Testes de Hidrogenação de diesel em regime contínuo; 2. Testes em sistema contínuo para redução de acidez naftênica de petróleos.

     

    CATEGORIA IV: Resultado associado a projeto(s) desenvolvido(s) por Instituição Credenciada e/ou Empresa Brasileira, em colaboração com Empresa Petrolífera, na área temática específica “Segurança, Meio Ambiente e Saúde - SMS”

    - Título: Boia Meteoceanográfica Nacional (BMO-BR)

    Empresa Petrolífera: Petrobras
    Instituição: UFRJ - LIOc
    Empresa: Holos, NavCon, Ambidados

    Resumo: O produto Bóia Meteoceanográfica Nacional, ou simplesmente BMO, visou congregar esforços da indústria e Academia nacionais para o desenvolvimento de uma plataforma autônoma para aquisição dados meteoceanográficos que tivesse maior conteúdo nacional, desde o projeto e construção do casco até a fabricação e integração da eletrônica embarcada. Sob a ótica do ineditismo, a alcunha de 1ª bóia de medição de ondas nacional é bastante adequado ao protótipo produzido, sendo inúmeras as inovações tecnológicas incorporadas em seu projeto. Dentre estas, podemos destacar: a utilização de materiais compostos poliméricos - comumente conhecidos como fibra-de-vidro - em uma bóia destas proporções e para essa finalidade; a combinação de aço-inox e material composto para assegurar a resistência estrutural do casco e reduzir peso total e custo de fabricação; a utilização de um sensor inercial de movimentos de fabricação nacional - inédito no país; e a própria integração desses distintos componentes em um sistema complexo visando à medição direcional de ondas de gravidade, correntes marinhas e ventos - parâmetros de grande importância na concepção de sistemas navais e empreendimentos offshore.

    A vantagem do produto decorre da motivação principal do projeto, que é a disponibilização de um sistema para medição de dados meteoceanográficos que pudesse ser integralmente fabricado e integrado no Brasil e, assim, com a consequente redução dos custos de aquisição, operação, manutenção, estimular a difusão e emprego deste tipo de instrumentação por interessados no país, sejam eles instituições governamentais, empresas e Academia.

     

    - Título: Rede de modelagem e observação oceanográfica (REMO) - Uma iniciativa pioneira de transformação digital em segurança operacional e meio ambiente (SMS) para a indústria de petróleo

    Empresa Petrolífera: Petrobras
    Instituições: UFRJ – COPPE - AECO, UFRJ – IGEO – LMA, USP, UFBA - CPGG, Marinha - CHM

    Resumo: A Rede de Modelagem e Observação Oceanográfica (REMO) é uma iniciativa pioneira de P&D e Inovação da Petrobras, Marinha e Universidades, que através de diversos projetos de P&D conseguiram desenvolver modelos oceânicos para simulação dos campos tri-dimensionais de correntes marinhas, temperatura da água, salinidade, e outros parâmetros associados, além do campo de ondas de superfície, para utilização nas diversas demandas da indústria offshore de petróleo. É importante ressaltar que esta é uma iniciativa pioneira na América Latina, inserindo o Brasil no pequeno rol de países que possuem condições de realizar suas próprias previsões oceânicas com assimilação de dados observados de boias, perfiladores, gliders, etc. As informações geradas pela rede REMO são muito importantes para a segurança operacional e meio ambiente da indústria offshore de petróleo, atendendo simultaneamente dois pilares de SMS, pois garantem a Segurança Operacional no planejamento de operações complexas que necessitam de informações de correntes marinhas, ventos e ondas, além da defesa do Meio Ambiente em operações envolvendo derrames de óleo e outras demandas ambientais, tais como licenciamento das atividades de E&P nas bacias marítimas.

     

    - Título: Tecnologias verdes para a reciclagem de polímeros da indústria do petróleo: Transformando resíduos em matérias-primas de valor para a cadeia produtiva

    Empresa Petrolífera: Petrobras
    Instituições: UFRJ – IMA, UFPE - Lateclim

    Resumo: A inovação tecnológica consiste em processo de despolimerização e posterior reciclagem de embalagens e demais materiais a base do polímero poli(tereftalato de etileno) (PET), que é ambientalmente amigável e aderente aos princípios de engenharia verde. Nas configurações de processo desenvolvidas, a despolimerização é catalisada por enzimas, por catalisadores químicos, ou por combinação destes, que levam a uma conversão do polímero em seus monômeros. Os processos consistem em reações em batelada, em que o polímero moído entra em contato com o catalisador, em fase aquosa (reação de hidrólise) ou em fase orgânica (reação de glicólise), havendo a liberação dos monômeros, ácido tereftálico (TPA) e o monoetileno glicol (MEG) (no caso da hidrólise) ou tereftalato de bis(2-hidroxietila) (no caso da glicólise). O uso de um catalisador de origem biológica (enzima), que é biodegradável e que consegue promover a despolimerização do PET em condições brandas de temperatura e pressão, torna o processo totalmente sustentável, de condução segura e que não gera resíduos tóxicos ao meio ambiente e ao ser humano. Já os catalisadores químicos agregam eficiência e rapidez ao processo, ao passo que foi possível se chegar a conversões da ordem de 96% em apenas 15 min de reação.

    A tecnologia foi demonstrada para despolimerização de PET tanto de materiais provenientes da indústria do petróleo, tal como embalagens de bebidas (garrafas), quanto em materiais empregados em operações da indústria do petróleo e que se tornam inservíveis após uso, tal como cabos de ancoragem de plataformas.

    A inovação aqui descrita agrega, com desempenho sem precedentes, valor aos materiais da cadeia produtiva do petróleo, endereçando uma problemática de abrangência mundial, que é o descarte inadequado de plásticos no meio ambiente.

     

    CATEGORIA V: Resultado associado a projeto(s) desenvolvido(s) por Instituição Credenciada e/ou Empresa Brasileira, em colaboração com Empresa Petrolífera, na área temática específica “Indústria 4.0”

    - Título: OTIMROTA - Ferramenta Computacional para Projeto Conceitual e Otimização de Sistemas Submarinos

    Empresa Petrolífera: Petrobras
    Instituições: UFRJ - LAMCSO, USP - NDF, PUC-Rio - Tecgraf

    Resumo: Alinhado à inclusão da Transformação Digital nos projetos na área submarina, o OtimRota surge como uma ferramenta computacional para auxiliar o engenheiro na elaboração, avaliação e comparação de projetos conceituais otimizados de sistemas submarinos.

    A ferramenta gera automaticamente alternativas para a locação da plataforma, e para a arquitetura e a disposição espacial dos diversos tipos de equipamentos submarinos (árvores de natal, manifolds, UTAs e outros). Dentre as diferentes arquiteturas consideradas, incluem-se o uso de manifolds, anéis de coleta, piggyback, trunkline e long tie-back para todas as funções de produção, injeção, serviço e controle. Essa geração automática permite não só avaliar a melhor posição dos elementos, mas também a melhor sequência de interligação dos dutos no balcony da plataforma, otimizando o custo e também minimizando interferências. As rotas dos dutos flexíveis ou rígidos interligando os equipamentos e a plataforma são também determinadas automaticamente, através de um método baseado na teoria dos grafos.

    Em suma, o OtimRota engloba novas metodologias para automatizar a síntese de sistemas submarinos, levando à maximização do valor gerado pelo sistema de produção, obtendo arranjos otimizados, avaliados por critérios de engenharia e de custos (CAPEX, OPEX, ABEX). Isto fornece benefícios importantes em termos de projetos mais eficientes, obtidos em menor tempo, com aumento na eficiência e produção durante operação do sistema submarino, e significativa redução dos custos associados.

     

    - Título: SIA - Um Assistente para Interpretação Sísmica baseado em Inteligência Artificial

    Empresa Petrolífera: Petrogal
    Empresa: IBM

     

    Resumo: O principal objetivo deste projeto foi investigar técnicas que forneçam aos intérpretes sísmicos um sistema computacional cognitivo capaz de ampliar sua capacidade de interpretar dados sísmicos, através da combinação de modelos baseados em física, modelos de aprendizado de máquina para compreensão de imagens, e técnicas de visualização de dados, integrados ao conhecimento capturado de intérpretes sísmicos a partir de interpretações anteriores. Este projeto teve como objetivos: - Automação do processo de identificação de plays através da: combinação de algoritmos avançados de aprendizado de máquina com técnicas de visão computacional para identificar as principais características de volumes sísmicos; e a utilização de algoritmos para extração de características contextuais e recomendação de interpretações prováveis associadas com um valor de incerteza correspondente. - Captura do histórico de interpretação através de algoritmos inovadores de análise visual enquanto captura as interações do usuário durante o processo de interpretação, para identificar pontos-chave de decisão para serem usados para treinamento de modelos de aprendizado de máquina e para o registro do conhecimento do especialista. - Identificação de análogos ao redor do mundo, através da extração de características contextuais de fontes de dados estruturadas e não estruturadas para encontrar evidências em casos parecidos.

     

    O sistema compreende cinco componentes principais: 1) Ferramenta para construção de uma Base de Conhecimento; 2) Análise de Faces Sísmicas; 3) Caracterização de Propriedades Físicas; 4) Avaliação de Risco Geológico; 5) Interface Humano-Computador Cognitiva

     

     

    - Título: WellBot - Autonomous Things (AuT) Aplicado a Poços de Petróleo

     

    Empresa Petrolífera: Petrobras
    Instituição: UFRGS - GIMSCOP

    Resumo: Um sistema autônomo de operação do poço foi desenvolvido para minimizar perdas. O sistema, batizado com o nome de WellBot, permite adentrar em zonas de instabilidade e conduzir o poço em busca da máxima produção possível sem que haja a necessidade de intervenção humana. Os algoritmos do WellBot consistem na associação de técnicas de inteligência artificial e controle avançado de processos. Em uma analogia ao conceito de carro autônomo, o controlador pode ser visto como o automóvel, enquanto que o algoritmo de inteligência artificial pode ser visto como o "motorista virtual".

    A metodologia do WellBot é fundamentada em um algoritmo especialista adaptativo, que diagnostica o que está acontecendo no poço e toma decisões em relação a mudança de set point de um sistema de controle feedback. O sistema de controle é composto por uma camada supervisória de algoritmos preditivos (MPC - Model Predictive Control) e uma camada regulatória baseada em PID (Proportional-Integral-Derivativa). Além disso, o WellBot possui camadas de proteção, que visam a segurança da operação e posicionam o poço em pontos operacionais livres de sobrepressão, se necessário, sem provocar intertravamentos.

     

  • Informações Gerais

    Inscrições

    Poderão concorrer ao Prêmio ANP de Inovação Tecnológica 2019 instituições de pesquisa credenciadas pela ANP, empresas brasileiras e empresas petrolíferas que apresentem resultados associados a um ou mais projetos, que estejam relacionados ao desenvolvimento de bens, produtos, serviços, sistemas, processos, metodologias ou conceitos inovadores para o setor de petróleo, gás natural e biocombustíveis, desenvolvidos no Brasil, com recursos da Cláusula de PD&I presente nos contratos de E&P.

    A inscrição deverá ser realizada preferencialmente por representante da empresa petrolífera. No caso de a inscrição ser realizada por representante de instituição credenciada ou empresa brasileira, deverá haver a confirmação da empresa petrolífera responsável.

    + Faça o download do Formulário de Inscrição


    Cronograma

    Em sua edição 2019, o Prêmio ANP obedecerá ao seguinte calendário:

    I. Prazo de inscrição: 9h de 24 de maio de 2019 às 18h de 22 de julho de 2019 (Prorrogado);

    II. Prazos de julgamento: 01 de agosto de 2019 a 18 de outubro de 2019;

    III. Comunicação aos finalistas: até 21 de outubro de 2019; e

    IV. Cerimônia de premiação: 28 de novembro de 2019, em local e horário a serem oportunamente divulgados.


    Contato:

    Em caso de dúvidas, entrar em contato pelo e-mail premioanp@anp.gov.br ou pelos telefones (21) 2112-8367 / 8364 / 8377

Fim do conteúdo da página
>