Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Notícias > Rio aumenta sua participação na produção nacional de petróleo e gás
Início do conteúdo da página

Rio aumenta sua participação na produção nacional de petróleo e gás

Publicado: Sexta, 31 de Janeiro de 2020, 09h06
Atualizado: Sexta, 31 de Janeiro de 2020, 09h06

Produção do Estado correspondeu a 71% da produção nacional em 2019

A ANP está divulgando o Boletim Mensal da Produção de Petróleo e Gás Natural com dados detalhados de dezembro de 2019. Esta edição também apresenta destaques do ano passado.

Em 2019, a produção brasileira de petróleo e gás natural foi de 3,559 milhões de barris equivalentes por dia (MMboe/d), totalizando 1,299 bilhão de barris de óleo equivalente, um aumento de 8,1% em relação a 2018. O Estado do Rio de Janeiro, onde estão localizados os campos de Lula e Búzios, vem crescendo sua participação na produção nacional. Em 2019, foi o maior produtor de petróleo e gás natural, representando 71% do volume total produzido no país, 5,3% maior que em 2018, registrando uma produção de 2,528 MMboe/d. Em seguida vem o Estado de São Paulo, com uma participação de 11,5% na produção total: 409,77 mil boe/d. O Espírito Santo foi o terceiro maior estado produtor, com uma produção de 333,68 mil boe/d, representando 9,4% da produção de petróleo e gás natural no país.

A produção total no Pré-sal em 2019 foi de 2,183 MMboe/d, correspondente a 61,3% da produção nacional. O campo de Lula, na Bacia de Santos, foi o maior campo produtor e registrou uma média diária de 1,196 MMboe/d, tendo sido responsável por 33% de toda a produção nacional no ano.

Os campos marítimos produziram 2,683 milhões de barris de petróleo por dia (MMbbl/d) e 99,8 milhões de metros cúbicos de gás natural por dia (MMm3/d), o que correspondeu a, respectivamente, 96,3% e 81,4% da produção nacional. Dos campos terrestres, foram extraídos 104,1 mil barris de petróleo por dia (Mbbl/d) e 22,73 MMm3/d de gás natural, o que corresponde a uma redução de 6,53% de petróleo e um aumento de 3,56% de gás natural, em relação à produção terrestre do ano anterior.

 

Produção de dezembro

No mês de dezembro de 2019, a produção de petróleo foi de 3,107 MMbbl/d, superando em 0,5% o recorde registrado no mês anterior e em 15,4% a produção de dezembro de 2018. A produção de gás natural também superou o recorde do mês anterior, registrando um aumento de 0,9% e alcançando a média de 138 MMm3/d. Em relação a dezembro de 2018, a variação foi de 21,2%.

A produção no Pré-sal em dezembro teve origem em 114 poços e correspondeu a 66,8% da produção nacional, totalizando 2,654 MMboe/d, sendo 2,117 MMbbl/d de petróleo e 85,4 MMm3/d de gás natural. Em relação ao mês anterior, a produção total aumentou 2,6% e 40,6% em relação a dezembro de 2018.

 

Aproveitamento do gás natural

Em dezembro, o aproveitamento de gás natural foi de 97,3%. Foram disponibilizados ao mercado 65,6 MMm³/dia. A queima de gás no mês foi de 3,679 MMm³/d, um aumento de 7,2% se comparada ao mês anterior e de 20,8% se comparada ao mesmo mês em 2018.

 

Origem da produção

Os campos marítimos produziram 96,7% do petróleo e 81,4% do gás natural. Os campos operados pela Petrobras produziram 93,7% do petróleo e do gás natural. Com relação aos campos operados pela Petrobras e com participação exclusiva da empresa, produziram 41,3% do total.

 

Destaques

Novamente, o campo de Lula, na Bacia de Santos, foi o maior produtor de petróleo e gás natural, registrando 1,074 MMbbl/d de petróleo e 45 MMm3/d de gás natural.

A plataforma FPSO Cidade de Maricá, produzindo no campo de Lula por meio de sete poços a ela interligados, produziu 148,9 Mbbl/d e foi a instalação com maior produção de petróleo.

A instalação Polo Arara, produzindo nos campos de Arara Azul, Araracanga, Carapanaúba, Cupiúba, Rio Urucu e Sudoeste Urucu, por meio de 35 poços a ela interligados, produziu 8,253 MMm³/d e foi a instalação com maior produção de gás natural.

O maior poço produtor foi o 3-BRSA-1305A-RJS, no campo de Mero, que produziu em média 61,4 Mboe/d.

Estreito, na Bacia Potiguar, teve o maior número de poços produtores terrestres: 1.094.

Marlim Sul, na Bacia de Campos, foi o campo marítimo com maior número de poços produtores: 73.

 

Campos de acumulações marginais

Esses campos produziram 54 bbl/d de petróleo e 6,8 Mm³/d de gás natural. O campo de Iraí, operado pela Petrobron, foi o maior produtor, com 40,1 boe/d.

 

Outras informações

No mês de dezembro de 2019, 294 áreas concedidas, duas áreas de cessão onerosa e cinco de partilha, operadas por 34 empresas, foram responsáveis pela produção nacional. Dessas, 70 são marítimas e 231 terrestres, sendo 10 relativas a contratos de áreas contendo acumulações marginais. A produção ocorreu em 7.205 poços, sendo 633 marítimos e 6.572 terrestres.

O grau API médio foi de 27,7, sendo 3,2% da produção considerada óleo leve (>=31°API), 86,9% óleo médio (>=22 API e <31 API) e 9,9% óleo pesado (<22 API).

As bacias maduras terrestres (campos/testes de longa duração das bacias do Espírito Santo, Potiguar, Recôncavo, Sergipe e Alagoas) produziram 106,1 Mboe/d, sendo 84 mil bbl/d de petróleo e 3,5 MMm³/d de gás natural. Desse total, 94 mil boe/d foram produzidos pela Petrobras e 12 mil boe/d foram produzidos por concessões não operadas pela Petrobras, dos quais: 343 boe/d em Alagoas, 4.168 boe/d na Bahia, 21 boe/d no Espírito Santo, 7.305 boe/d no Rio Grande do Norte e 202 boe/d em Sergipe.

 

registrado em:
Assunto(s): Rio , produção nacional , petróleo , gás
Fim do conteúdo da página
>