Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Indicadores de desempenho anuais

Publicado: Quinta, 19 de Julho de 2018, 14h55
Atualizado: Segunda, 05 de Novembro de 2018, 15h35

Indicadores de Segurança Operacional em Instalações de Exploração e Produção


Índice de Eventos de Segurança de Processo

Nesta seção encontram-se disponíveis os índices de incidentes de segurança de processo comunicáveis à ANP, ocorridos em instalações de exploração e produção offshore (plataformas, sondas e dutos marítimos).

A classificação dos dados é fundamentada na norma internacional API RP 754, que classifica incidentes do tipo “perda de contenção” (TIER)[1], conforme figura abaixo.

 

 

 

Os incidentes classificados como TIER 1 e TIER 2 nos termos da norma API RP 754 são recebidos pela ANP através das tipologias informadas nos Comunicados Iniciais de Incidentes (CI), conforme a Resolução ANP n° 44/2009 e o Manual de Comunicação de Incidentes de Exploração e Produção (MCI). Já os incidentes categorizados como TIER 3 e TIER 4 não fazem parte do escopo de incidentes comunicáveis à ANP, portanto, não são aqui apresentados.

Entretanto, através dos regulamentos de Segurança Operacional e Meio Ambiente, os Agentes regulados são responsáveis por estabelecer critérios de registro, investigação e análise de desempenho tanto para os incidentes comunicáveis à ANP, como para os demais eventos registráveis apenas no âmbito destas empresas.  A adequação das empresas na aplicação destes requisitos é verificada periodicamente através das auditorias da ANP.

A tabela abaixo indica a correlação entre as tipologias existentes no Manual de Comunicação de Incidentes de Exploração e Produção (MCI) e os critérios de TIER 1 e TIER 2 da API RP 754:    

 

Tier 1

Perda de contenção primária maior de óleo

Perda de contenção maior de gás inflamável

Perda de contenção de H2S

Explosão de atmosfera explosiva

Explosão mecânica

Incêndio maior

Incêndio significante

Tier 2

Perda de contenção primária significante de óleo

Perda de contenção significante de gás inflamável

 

Os dados contidos no gráfico abaixo são exibidos na forma de taxas que correspondem à quantidade de eventos TIER 1 e TIER 2 por cada milhão de horas trabalhadas. Internacionalmente esta taxa é conhecida como PSER – Process Safety Event Rate.

 

 

 

 

  

Taxa de Incidentes Comunicáveis

A taxa de incidentes comunicáveis indica a quantidade de incidentes comunicados por milhão de hora trabalhada de instalações de exploração e produção offshore, separada por gravidade dos incidentes. A gravidade é estratificada de acordo com a consequência dos incidentes comunicáveis à ANP, conforme classificação abaixo:          

Grave: acidentes que apresentam consequências maiores à vida humana, ao meio ambiente ou ao patrimônio. Tipicamente, são os eventos de fatalidade (dano à vida) e eventos que geram danos severos à instalação (abalroamento maior, afundamento, incêndio maior, explosão, entre outros) ou ao ambiente. São normalmente eventos apontados como Major Accident Hazards nos estudos de risco das instalações.

Moderado: acidentes que apresentam consequências significantes à vida humana, ao meio ambiente ou ao patrimônio; ou quase acidentes com elevado potencial de causar consequências maiores à vida humana, no meio ambiente ou no patrimônio.

Leve: acidentes de menor consequência à vida humana, ao meio ambiente ou ao patrimônio; ou quase acidentes de baixo/médio potencial de causar consequências maiores à vida humana, ao meio ambiente ou ao patrimônio.

 

 

É importante ressaltar que o aumento nas taxas observado em 2017 para os indicadores apresentados nesta página não está necessariamente correlacionado a um aumento na ocorrência de incidentes.  A publicação de uma nova versão do Manual de Comunicação de Incidentes neste ano aprimorou o entendimento sobre as situações em que os incidentes são comunicáveis, o que se reflete nos indicadores de incidentes.  Adicionalmente, a intensificação da fiscalização das atividades de exploração e produção tem como um dos efeitos o aumento na adesão dos Agentes regulados aos diversos regulamentos, incluindo o que dispõe sobre a comunicação de incidentes.

 

Índices de Acidentes com danos à saúde humana

1) Fatalidades e incidentes fatais nas unidades offshore (FAR)

O Fatal Accident Rate (FAR) é um parâmetro internacionalmente utilizado e considera as fatalidades comunicáveis à ANP[2] ocorridas em instalações de exploração e produção offshore (plataformas, sondas e dutos marítimos).


Os dados são exibidos na forma de taxas que correspondem à quantidade de fatalidades por cada cem milhões de horas trabalhadas:

 

 

Os valores de referência relativos às instalações de exploração e produção offshore foram obtidos a partir dos dados divulgados pelo IRF (International Regulators’ Forum for Offshore Safety) em seu Projeto de Medição de Desempenho, atualmente sob coordenação da ANP.

No gráfico abaixo, o FAR das atividades offshore no Brasil é comparado com o índice apurado com os dados de Reino Unido, Estados Unidos e Noruega, países de referência e com nível de atividades comparáveis ao Brasil*.

 

Em 2015, a explosão ocorrida no FPSO Cidade de São Mateus ocasionou todas as nove fatalidades ocorridas no ano.  Tal acidente maior demonstra a importância da abordagem de segurança de processos, visando o controle de riscos de eventos de perda de contenção. Acesse aqui o relatório completo da investigação feita pela ANP para a explosão ocorrida no FSPO Cidade de São Mateus.

Em 2017 ocorreu uma explosão na sonda de perfuração marítima Norbe VIII que ocasionou três fatalidades, cuja investigação se encontra em andamento.

A taxa de acidentes fatais ou Fatal Incident Rate (FIR) traduz a gravidade relativa dos incidentes com fatalidades:

 

 

Comparando-se o FIR com o FAR - Fatal Accident Rate é possível avaliar a gravidade dos incidentes ocorridos no período analisado. Sendo assim, o indicador FIR será igual ao FAR quando houver apenas uma fatalidade por incidente e menor que o FAR quando houver mais de uma fatalidade em pelo menos um incidente no período analisado.

 

 

2) Taxa de Ferimentos Graves nas unidades Offshore

Analogamente ao conceito de FAR, a taxa de ferimentos graves é a quantidade de colaboradores feridos gravemente por cada milhão de horas trabalhadas em instalações offshore, conforme abaixo:

 

 

 

 

3) Índice de Acidentes com Afastamento nas unidades Offshore

Analogamente ao conceito do FIR, os dados são exibidos na forma de uma taxa que corresponde à quantidade acidentes com afastamento por cada milhão de horas trabalhadas em plataformas e sondas, conhecida internacionalmente como LTI (Lost Time Injury):

 

A ANP começou a receber em 2017 comunicados de incidentes com afastamento entre 1 e 3 dias e acidentes com afastamento superior a 3 dias. No gráfico abaixo, o índice de acidentes com afastamento apurado para o Brasil é comparado ao índice apurado através dos dados oriundos de países membros do IRF de referência (Reino Unido, Estados Unidos, e Noruega)*.

 

 

 

[1] TIER: palavra inglesa que significa “categoria”. Uma divisão de categorias por numeração de 1 a 4, sendo a 1 a de maior relevância, é estabelecida na norma API RP 754.

[2] Fatalidades comunicáveis à ANP são os óbitos decorrentes de incidentes ocorridos na operação da instalação ou da queda de helicópteros de transporte de pessoal desde que ocorram em até um ano da data do incidente. São excluídos destes eventos os óbitos ocorridos por causas naturais e em acidentes de trânsito terrestre. As fatalidades não incluem as ocorrências ocasionadas por doenças profissionais, mortes naturais, desaparecimentos ou suicídios ocorridos nas instalações offshore.

*Os dados de referência relativos a 2017 contemplam apenas a Noruega e Estados Unidos. Os dados do Reino Unido ainda não se encontram disponíveis.

Fim do conteúdo da página
>