Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Acesso aos Dados Técnicos

Publicado: Quinta, 18 de Agosto de 2016, 16h31
Atualizado: Terça, 14 de Agosto de 2018, 16h10

Os dados públicos armazenados no BDEP podem ser acessados de três maneiras, dependendo do tipo do cliente:

- Clientes eventuais - têm acesso aos dados mediante pagamento por cada solicitação de dado público;

- Clientes associados - têm acesso aos dados mediante assinatura do “Termo de Uso do BDEP”, com preços e condições diferenciadas de acesso;

- Instituições de pesquisa - têm acesso à cessão gratuita de dados destinados a projetos acadêmicos, sendo os trabalhos resultantes públicos e enviados à ANP. 

  • Consulta ao acervo

    Há diversas maneiras de se consultar o acervo de dados técnicos da ANP:

    BDEP WEBMAPS

    O BDEP WebMaps é um sistema de consulta em mapa interativo no qual são disponibilizadas informações do acervo de dados da ANP, incluindo o BDEP. Este mapa pode ser acessado por qualquer browser, não sendo necessário fazer nenhuma instalação. São apresentados dados culturais (limites políticos administrativos, grids cartográficos entre outros) e é possível visualizar os seguintes temas: sísmica 2D e 3D, poços, polígonos do pré-sal e libra, levantamentos de gravimetria e magnetometria, setores offshore, setores da rodada de licitações, blocos da rodada de licitações, blocos de exploração, campos de produção, bacias sedimentares e batimetria.

    +Acesso aos Grids Cartográficos das Áreas de E&P

    +Coordenadas



    SALA DE CLIENTES

    Na Sala de Clientes da ANP, estações de trabalho podem ser utilizadas para a visualização dos dados públicos, para, por exemplo, a verificação de características dos dados anteriormente à solicitação de acesso.
    A Sala de Clientes funciona de segunda à sexta-feira em dois turnos: 9h às 12h e 13h às 16h, mediante agendamento prévio. O período de consulta é de uma a seis horas por dia. A fração de hora é cobrada como hora inteira. Períodos de indisponibilidade do sistema, caso ocorram, são debitados do período.
    Para usuários eventuais, o valor da utilização da Sala de Clientes é R$ 500,00 por hora. O preço do apoio de técnico consultor do BDEP é R$ 300,00 por utilização, conforme tabela de custo de acesso.
    Para usuários eventuais, as solicitações de utilização da Sala de Clientes devem seguir as seguintes orientações:

    - As solicitações devem ser protocoladas na ANP (Av. Rio Branco, 65 – Centro, Rio de Janeiro), por meio do Formulário de Solicitação de Dados – Usuário Eventual, com preenchimento dos campos adequados e indicação dos dados a serem visualizados.
    - Caso seja a primeira solicitação de dados, deverá ser apresentada a documentação exigida, relacionada no arquivo abaixo, de modo a atender o Art. 5º da Resolução ANP nº 1/2015.
    - Após receber a solicitação de agendamento do usuário eventual, a equipe de atendimento enviará um email informando o custo total do orçamento para utilização da Sala de Clientes, contendo todas as instruções para pagamento da GRU.
    - O usuário eventual deverá quitar a GRU inerente ao serviço solicitado e enviar uma cópia digitalizada do comprovante de pagamento para o email: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..
    - O agendamento da sala será realizado somente após a confirmação do pagamento.

    +Formulário de Solicitação de Dados – Usuário Eventual
    +Usuário eventual - documentação exigida

    Usuários associados têm uma cota mensal de uso da Sala de Clientes, que varia de acordo com cada plano e devem encaminhar a solicitação de agendamento por email. Caso seja ultrapassado o limite de horas mensal, a utilização será cobrada como dado adicional acima da cota.

    Universidades não têm direito a acesso gratuito à Sala de Clientes. Caso queiram, podem solicitar a utilização da Sala como Usuário Eventual, seguindo os mesmos procedimentos e submetidas aos mesmos preços válidos para as demais empresas.

  • Solicitação de Dados Técnicos

    O acesso a informações e dados técnicos públicos é regulado pela Resolução ANP nº 1/2015.

    +Resolução ANP nº 1/2015

    O acompanhamento das solicitações de dados técnicos pode ser feito por meio do HelpDesk/BDEP: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.; telefones (21) 3545-0115 / (21) 3545-0175.

    CLIENTE EVENTUAL

    Pessoas físicas residentes no Brasil e pessoas jurídicas constituídas sob as leis brasileiras com sede e administração no País poderão ter acesso aos dados técnicos na qualidade de Cliente Eventual.

    1. Caso seja a primeira solicitação de dados, deverá ser apresentada a documentação exigida, relacionada no arquivo abaixo, de modo a atender o Art. 5º da Resolução ANP nº 1/2015. Clientes que já possuem esses documentos cadastrados na ANP não precisam reenviá-los.
    +Cliente eventual - documentação exigida

    2. O solicitante deverá realizar a consulta prévia de disponibilidade de dados por meio do envio do Formulário de Solicitação de Dados – Cliente Eventual para o email Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.;
    +Formulário de Solicitação de Dados - Cliente Eventual

    3. O resultado da consulta será enviado para o solicitante por email, que deverá indicar os dados de interesse. Uma cópia impressa do formulário devidamente preenchido deve ser encaminhada à ANP (Superintendência de Dados Técnicos - Av. Rio Branco, 65 – Centro, Rio de Janeiro/RJ CEP: 20090-004). O arquivo preenchido deve ser enviado para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.;

    4. A disponibilização dos dados é condicionada à realização do pagamento, por meio de GRU, do valor indicado no orçamento enviado ao solicitante com base nos dados de interesse indicados e conforme instruções da ANP/SDT. A confirmação do pagamento no sistema leva em média 3 dias após o pagamento pelo cliente;
    +Custos de Acesso

    5. Os dados serão disponibilizados para download através de uma ferramenta de acesso FTP (WinSCP, Filezilla, etc) diretamente no computador do cliente. As instruções para download serão enviadas ao email do solicitante.

    6. A conferência dos arquivos é de responsabilidade do solicitante. Reclamações sobre a integridade dos arquivos recebidos somente serão aceitas até 30 dias a contar da data do recebimento dos dados.



    CLIENTE ASSOCIADO

    Clientes que solicitam elevado volume de dados podem optar pela Associação ao BDEP, por meio da assinatura do Termo de Autorização de Uso do BDEP.

    Estão disponíveis 4 planos, com diferentes custos de associação e cotas de dados. Os valores dos dados adicionais também variam conforme o plano escolhido. Todos os planos têm vigência de um ano.
    +Custos de Acesso

    1. Os clientes interessados em se associar ao BDEP devem encaminhar email para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. informando o tipo de plano e a forma de pagamento pretendida (à vista com 10% de desconto ou mensal em 12 parcelas iguais).

    2. Será encaminhado por email para o cliente a minuta do Termo de Uso, que deve ser preenchida com os dados do cliente, impressa, assinada e encaminhada à ANP (Superintendência de Dados Técnicos - Av. Rio Branco, 65 – Centro, Rio de Janeiro/RJ CEP 20090-004). Os documentos exigidos devem acompanhar a solicitação.
    +Cliente associado - documentação exigida

    3. Ao final da vigência, clientes associados podem prorrogar a vigência da associação por mais 12 meses, mediante celebração de Termo Aditivo, após novo pagamento.

    4. Após a assinatura do Termo de Uso, as solicitações devem ser encaminhadas por meio do Formulário de Solicitação de Dados – Associado para o email Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..
    +Formulário de Solicitação de Dados - Cliente Associado

    5. Os dados serão disponibilizados para download através de uma ferramenta de acesso FTP (WinSCP, Filezilla, etc) diretamente no computador do cliente. As instruções para download serão enviadas ao email do solicitante.

    6. A conferência dos arquivos é de responsabilidade do solicitante. Reclamações sobre a integridade dos arquivos recebidos somente serão aceitas até 30 dias a contar da data do recebimento dos dados.


    INSTITUIÇÕES DE PESQUISA

    Visando ao fomento de estudos e formação de profissionais no Brasil, a ANP disponibiliza gratuitamente dados públicos às Universidades ou Instituições de Pesquisa para fins acadêmicos. Tais dados não podem servir para fins comerciais, direta ou indiretamente.

    As áreas de conhecimento contempladas são Agronomia, Computação, Geociências e Engenharias Civil, Química, Sanitária e do Petróleo.

    1. O chefe ou coordenador do departamento ou unidade integrante das universidades ou instituições de pesquisa deve encaminhar uma via impressa do formulário Cadastro Básico – acesso aos dados técnicos para fins acadêmicos, indicando os professores orientadores que poderão efetuar as solicitações de dados, para a ANP (Superintendência de Dados Técnicos - Av. Rio Branco, 65 – Centro, Rio de Janeiro/RJ CEP 20090-004), juntamente com a documentação necessária;
    +Formulário de Cadastro Básico - Universidades
    +Universidades - documentação exigida

    2. São contabilizadas cotas semestrais de dados (vide Resolução ANP n° 1/2015), para cada nível acadêmico (graduação; pós-graduação/mestrado; doutorado/projeto de pesquisa) vinculado a cada projeto de pesquisa do departamento ou unidade. Caso a instituição queira solicitar dados excedentes às cotas definidas, poderá solicitar como Cliente Eventual seguindo os mesmos procedimentos e submetidas aos mesmos preços válidos para os demais clientes;
    +Cotas de dados para instituições de pesquisa

    3. Para acesso aos dados, o professor orientador previamente cadastrado deve encaminhar uma via impressa do “Formulário para solicitação de dados técnicos para fins acadêmicos ou de pesquisa” para a ANP (Superintendência de Dados Técnicos - Av. Rio Branco, 65 – Centro, Rio de Janeiro/RJ CEP 20090-004).
    +Formulário de Solicitação de Dados - Universidade

    4. O formulário digital (.xls) preenchido original deve ser encaminhado por email para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo., indicando o número do protocolo do documento físico.

    5. Os dados serão disponibilizados para download através de uma ferramenta de acesso FTP (WinSCP, Filezilla, etc) diretamente no computador do cliente. As instruções para download serão enviadas ao email do solicitante.

    6. A conferência dos arquivos é de responsabilidade do solicitante. Reclamações sobre a integridade dos arquivos recebidos somente serão aceitas até 30 dias, a contar da data do recebimento dos dados.

    7. Os trabalhos (relatórios finais, trabalhos acadêmicos, publicações em periódicos, etc) que utilizarem dados por meio da cessão gratuita para fins acadêmicos devem ser entregues à SDT em meio físico (impresso) e digital (formato PDF, gravado em CD/DVD) no prazo de 60 (sessenta) dias corridos, contados da data final definida para conclusão dos trabalhos;

    8. As Universidades e Institutos de Pesquisa que não apresentarem esses documentos ficam automaticamente impedidas de realizar novas solicitações até o devido cumprimento das respectivas obrigações.

    DOWNLOAD DOS DADOS (TODOS OS CLIENTES)
    1. Após recuperação dos dados, o solicitante receberá por email uma senha de acesso e informações de Host FTP, Porta, Login e senha para acesso aos dados.
    2. Caso o solicitante esteja indisponível (de férias ou ausente do escritório, por exemplo), é necessário informar essa condição por email para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo., no momento da solicitação dos dados, para que os dados para download sejam enviados para outro email.
    3. Por meio de uma ferramenta de transferência de dados FTP (WinSCP, FileZilla, etc), e utilizando os dados recebidos por email, o solicitante poderá acessar e realizar a transferência dos dados.
    4. O prazo para completar o download dos dados é de 10 dias corridos. Após esse prazo, os dados são automaticamente apagados do diretório, e será necessário realizar nova solicitação.
    5. A conferência dos arquivos é de responsabilidade do solicitante. Reclamações sobre a integridade dos arquivos recebidos somente serão aceitas até 30 dias corridos, a contar da data de disponibilização dos dados.

  • Envio de Dados Técnicos

    Toda empresa que efetuar levantamento de dados no Brasil deve entregar uma cópia dos dados para a ANP. Estes dados devem seguir padrões pré-estabelecidos.

    PROCEDIMENTOS

    Os procedimentos de envio de dados técnicos à ANP estão descritos a seguir:

    • As empresas devem entregar, 60 (sessenta) dias após a conclusão da aquisição dos dados, sem ônus para a ANP e em conformidade com os padrões estabelecidos, cópia dos dados brutos, a totalidade dos metadados, cópia dos relatórios operacionais ou quaisquer outros documentos relativos;

    • No momento da entrega dos dados brutos, devem enviar também cronograma de entrega dos dados processados e interpretados relativos à sua aquisição;

    • As empresas devem entregar os dados processados e interpretados, caso ocorram, no prazo de 60 (sessenta) dias após a conclusão do processamento e interpretação, sem ônus para a ANP e em conformidade com os padrões estabelecidos.


    As empresas (operadoras de áreas de E&P contratadas com a ANP e Empresas de Aquisição de Dados – EADs) devem utilizar o sistema ANP-QC, parte integrante do Sistemas BDEP, antes do envio dos dados à ANP. O ANP-QC é um Sistema de Controle de Qualidade Automatizado de dados sísmicos, poços e de métodos não sísmicos, com verificação de conformidade em relação aos padrões técnicos estabelecidos pela ANP. Para efetivar o acesso ao sistema é necessário solicitar acesso aos Sistemas BDEP, disponível na Central de Sistemas da ANP (CSA).

    Somente após a realização da validação do conjunto de arquivos mediante utilização do ANP-QC, as empresas estarão habilitadas a utilizarem o sistema Boletim de Remessa de Dados (BRD), também disponível no Sistemas BDEP, para envio dos dados à ANP (envio online via SFTP ou entrega da remessa em mídias).

    Mesmo com o envio de dados via SFTP, as empresas deverão protocolizar na ANP uma via impressa do Boletim de Remessa de Dados, devidamente assinada pelo representante legal cadastrado. Para o envio de dados em mídias, as empresas deverão enviar seus portadores de dados à ANP, preferencialmente no Escritório da ANP na Urca, no endereço Av. Pasteur, 404 – Bloco A4 – Urca – Rio de Janeiro - com as mídias contendo os dados gravados e os respectivos formulários de encaminhamento dos dados (duas vias Boletins de Remessa, seguindo os modelos estabelecidos nos padrões técnicos e impressos no sistema BRD).

    Assim que o Boletim de Remessa de Dados (contendo ou não as mídias, a depender do tipo de envio selecionado no sistema BRD) for recebido no protocolo da ANP/Urca, o portador da empresa levará consigo uma cópia do Boletim de Remessa com o número e data de protocolo, comprovando o envio, e um documento denominado “Termo de Recebimento Provisório”, considerando que a remessa de dados ainda passará por diferentes processos de conferência.

    Os dados técnicos sem padronização definida podem ser encaminhados em mídias como anexo de correspondências formais de encaminhamento dos mesmos à Superintendência de Dados Técnicos (SDT), especificando o conteúdo e as referências de aquisição (contrato de concessão, autorização etc.).

    Após o recebimento dos dados, a SDT realizará procedimentos internos adicionais de avaliação dos dados e as empresas serão notificadas por ofício caso haja não conformidades, com a devida identificação dos problemas encontrados em um Laudo de Avaliação de Dados emitido pela ANP, e contendo prazo de envio de remessa de dados de correção das não conformidades encontradas. O envio de dados não conformes sujeitam as empresas às penalidades previstas na Lei 9.847/99, art 3º.


  • Amostras de Rochas e Fluidos

    Amostras são porção de rocha, sedimento ou fluido extraído de poço, da superfície do fundo oceânico ou da superfície terrestre. Os procedimentos para coleta e manejo das amostras nas bacias sedimentares brasileiras estão definidos na Resolução ANP n° 71/2014.

    As seguintes amostras são coletadas no âmbito das atividades de exploração e produção de petróleo e gás natural nas bacias sedimentares brasileiras, e estão sujeitas à regulação e controle da ANP:

    1. Testemunhos de sondagem e seus respectivos plugues;
    2. Amostras de calha;
    3. Amostras laterais;
    4. Amostras de fluidos;
    5. Rochas ou sedimentos obtidos em levantamentos terrestres ou de fundo oceânico.
    6. Lâminas delgadas, bioestratigráficas e seções polidas;
    7. Perfilagens de testemunhos;
    8. Dados analíticos gerados a partir das amostras públicas.

    A ANP é responsável pela guarda e manutenção de todas as amostras e subprodutos enumerados acima por ela recebidos. Até a entrega das amostras para a ANP, seus portadores são responsáveis pela sua guarda e manutenção.

    Considerando que a ANP ainda não possui uma estrutura definitiva para o recebimento dessas amostras , as empresas responsáveis pela aquisição são suas fiéis depositárias. A ANP realiza o controle dessas amostras por meio de ações de fiscalização e controle documental e de campo, e assegura a aplicação das regras estipuladas para o acesso às amostras públicas.

     

     

  • Acervo de dados

    Dados de Poços

    Todos os poços cadastrados na ANP e seus respectivos dados podem ser acessados por meio do sistema de mapas WebMaps e por meio da tabela de poços.

    Arquivo Geral de Poço (AGP)

    Extratos digitais de dados dos poços que foram repassados à ANP pela Petrobras. Apresenta estruturadamente, em formato txt, dados constantes da pasta do respectivo poço. Este tipo de arquivo mostra-se muito útil para trabalhos sistemáticos em bases de dados, e está disponível para a maioria dos poços perfurados pela Petrobras até 2009.


    Consolidação de Dados de Poço Exploratório (CDPE)

    Grupo de relatórios, notificações e comunicações enviadas à ANP pela empresa operadora da área contratada. Contém metadados sobre a evolução do poço.

    Constituem a CDPE:

    • Notificação de Perfuração de Poço (NPP)
    • Relatório Final de Completação de Poço (RFCP)
    • Relatório Final de Poço Explota(ra)tório (RFP)
    • Relatório Final de Abandono de Poço (RFAP)
    • Notificação Conclusão de Reentrada em Poço (NCRP)
    • Notificação Perfilagem Realizada (NPR)

     

    Perfil Composto

    Combinação de colunas ou faixas (tracks) utilizadas para representar as curvas de perfil, codificar a coluna litológica penetrada e apresentar outras informações, constituindo um resumo dos dados adquiridos na perfuração de poços. Possui três partes: cabeçalho, corpo principal e rodapé. Esta última parte frequentemente traz informações sobre a realização de testes de formação a cabo ou por tubulação. Por vezes, traz tabelas referentes à aquisição de dados de levantamentos sísmicos de poços (tabela tempo/profundidade) e informações relativas à obtenção de amostras laterais. Disponível para a grande maioria dos poços exploratórios, desde os mais antigos.

     

    Perfis Digitais

    São registros (logs) das propriedades físicas das rochas, representados graficamente por curvas nos formatos las, lis ou dlis, que resultam da aquisição de dados adquiridos através de sensores corridos dentro dos poços.

    São tratados pela ANP da seguinte forma (Padrão ANP05):

    1) Perfis durante a perfuração (LWD/MWD): neste caso os sensores são acoplados à própria coluna de perfuração e geram dados concomitantemente à perfuração. São de tecnologia mais recente que os demais;

    2) Perfis convencionais: perfis de registro contínuo obtidos em poço aberto ou revestido;

    3) Perfis especiais: perfis de amostragem discreta obtidos em poço aberto e revestido (sísmica de poço, amostragem lateral, testes a cabo etc.).

    Associados aos perfis digitais são enviados os esquemas de ferramentas com as configurações corridas nos poços: os relatórios de sísmica de poço, em caso de execução de sísmica de poço e os dados direcionais com dados de controle direcional da perfuração, em caso de poços direcionais.

    Disponíveis na maioria dos poços de produção e exploratórios.

     

    Curvas Básicas em LAS

    O formato las é um arquivo ascII menos robusto que os formatos binários lis ou dlis. Contém um cabeçalho com parâmetros de aquisição, seguido pelas medidas de perfilagem dispostas em colunas separadas por um espaço em branco, sendo a primeira coluna uma variável independente (tempo/profundidade). Esse formato possui a vantagem de ser visualizado por um usuário sem muitos recursos de software. Contém apenas quatro curvas à escolha do usuário, diferentemente do produto "perfil de poço", onde todas as curvas são existentes no poço.

    O arquivo complementar "Tabela de curvas básicas” traz os principais mnemônicos das curvas básicas. Este produto está normalmente disponível para a maioria dos poços de produção e de exploração perfurados no período anterior à criação da ANP.

     

    Perfil de Acompanhamento Geológico (PAG)

    Também tratado como strip log ou relatório de mud log, é um perfil de poço em formato pdf, no qual são representados parâmetros relacionados à perfuração, como a descrição da amostra de calha, a taxa de penetração, os indícios de hidrocarbonetos, entre outros. Amplamente disponível para poços exploratórios perfurados após novembro de 2012.

    Legislação pertinente: a Resolução ANP nº 37/2012 regulamenta o Padrão ANP 09 de entrega de dados de poço referentes ao Perfil de Acompanhamento Geológico (PAG).

     

    Teste de Formação

    São operações especiais que consistem no isolamento do intervalo testado através de um ou mais obturadores e no estabelecimento de um diferencial de pressão que permita o fluxo dos fluidos contidos na formação no sentido do poço, com segurança e economia.

    Durante a execução destas operações são efetuados registros de pressão de fundo e medições, na área do poço, de pressão e vazão de fluidos produzidos na superfície.

    O Padrão ANP 08 regulamente a entrega de dados de teste de formação à ANP.

     

    Dados Sísmicos

    Dados pré-empilhamento

    Conhecidos também como dados sísmicos pré-stack, são dados originais de campo, onde cada traço representa um único par tiro-receptor, sem que haja soma de traços de qualquer natureza.

     

    Dados pós-empilhamento

    Conhecidos também como dados sísmicos pós-stack, são dados que tiveram todos os traços pertencentes a um mesmo Commom Depth Point (CDP) somados de forma a resultar em um único traço sísmico.

     

    Reprocessamento

    É um novo tratamento que os dados adquiridos recebem por meio de procedimentos diferenciados em relação aos procedimentos previamente realizados, com a geração de dados pós-empilhamento.

     

    Dados Não Sísmicos

    Todos os levantamentos de dados não sísmicos cadastrados no SIGEP - Sistema de Informações Gerenciais de Exploração e Produção - podem ser acessados por meio da tabela de dados não sísmicos.
    Acesse o shapefile de dados não sísmicos em: http://www.anp.gov.br/images/dados_tecnicos/Dados_Nao_Sismicos_publicos.zip

    Dados gravimétricos

    A gravimetria é um método geofísico voltado para o estudo das pequenas variações locais do campo gravitacional terrestre. Esta metodologia mede o valor da aceleração da gravidade ou de seus gradientes, conforme a tecnologia empregada. A variação do campo gravitacional da Terra, gerada pela presença de rochas com diferentes densidades, pode fornecer informações sobre a distribuição de massa em subsuperfície, tanto em nível local como global. Historicamente, na prospecção petrolífera, a gravimetria tem sido usada como um método alternativo de importante aplicação, uma vez que possui ótimo poder investigativo para determinar a profundidade do embasamento, principalmente em rochas metamórficas de alto grau e ígneas.

     

    Dados Magnetométricos

    A magnetometria é um método geofísico baseado na medição da intensidade do campo magnético terrestre a partir dos contrastes entre rochas de composições mineralógicas distintas. O campo magnético é função da susceptibilidade magnética das rochas, que por sua vez está associada à presença de minerais magnéticos. Em geral, rochas sedimentares possuem baixa susceptibilidade magnética em relação a outras rochas. Este método é útil para delimitar estruturas do embasamento e presença de rochas ígneas intrusivas nas rochas sedimentares.

     

    Dados gamaespectrométricos

    A gamaespectrometria é um método geofísico que mede a radiação natural das rochas pela emissão de raios gama. Estes raios gama são emitidos na natureza principalmente pelos elementos químicos potássio (K), urânio (U) e tório (Th). A gamaespectrometria tem aplicabilidade restrita para prospecção de petróleo, sendo utilizada então em geofísica de poço.

    O motivo da restrição se dá pela ausência natural de minerais de U e Th, que apenas se precipitam em ambiente redutor, e da abundância do elemento K, que existe na grande maioria das rochas da crosta terrestre, incluindo as sedimentares. Este método é, no entanto, largamente utilizado como apoio ao mapeamento geológico regional e à prospecção mineral.

     

    Dados eletromagnéticos

    Na natureza, a eletricidade e o magnetismo andam juntos, uma vez que toda corrente elétrica gera um campo magnético.

    Todas as substâncias possuem maior ou menor facilidade em permitir passagem de uma corrente elétrica em seu interior. A esta propriedade dá-se o nome de permissividade elétrica. Este método utiliza propriedades magnéticas induzidas no solo por um instrumento e estuda estas propriedades para detectar diferentes valores de permissividades elétricas. Quando o valor de permissividade se altera com a profundidade, uma nova rocha é encontrada. Assim, este método detecta variações dos tipos de rochas subjacentes.

     

    Dados de Produção

     

    Produção por poços

    Confira aqui o panorama anual da produção nacional de petróleo e gás natural por poço, divididos em mar e terra.


    Produção por campo

    Panorama da produção de petróleo e gás natural por campo. Os dados de produção são indicados por estado e bacia, e para cada estado é indicada a produção por campo. A produção de petróleo é expressa em barris (bbl), e a de gás natural é expressa em metros cúbicos (m³). Clique aqui para consultar os volumes de produção.


    Produção por estado

    Confira aqui o histórico da produção de petróleo e gás natural no Brasil desde os anos 2000. São apresentados gráficos ilustrando a produção nacional e em cada estado produtor, além da produção conforme a procedência (terra ou mar). A produção de petróleo é expressa em barris de petróleo (bbl), enquanto a produção de gás natural é expressa em metros cúbicos (m³).

    + Leia mais sobre a produção no Boletim da Produção de Petróleo e Gás Natural

     

    Dados de Levantamento Geoquímico

     

    Os dados de levantamento geoquímico são aqueles resultantes da prospecção de área ou de seção em superfície ou subsuperfície para obter dados e informações técnicas por meio de uma ou várias propriedades químicas de amostras de rocha, solos, sedimentos ou fluidos. Os dados podem ser referentes a levantamentos geoquímicos de fundo oceânico ou terrestres. Em geral, os dados contêm a localização, as análises realizadas e o relatório do levantamento.

    Planilha de dados geoquímicos

    Shapefile de dados geoquímico

    Estudos

     

    Atividade destinada a estudo, análise e avaliação do conteúdo técnico e científico de dados adquiridos, utilizando componentes do acervo da União sobre as bacias sedimentares brasileiras. Os dados interpretados podem ser exclusivos (realizados em área contratada), não exclusivos ou de fomento (contratado pela ANP).
    A relação de estudos disponíveis está na planilha abaixo.

    NOME DO ESTUDO BACIA ESTUDO EMPRESA NATUREZA DA AQUISIÇÃO DATA CONCLUSÃO TITULARIDADE
    Supplementary oils Greater Campos Basin Phase II Campos Geoquímico GSI NÃO EXCLUSIVO 2005 PÚBLICO
    Soil Gas Study of the Recôncavo Basin Recôncavo Geoquímico GSI NÃO EXCLUSIVO 2000 PÚBLICO
    Bacia do Parnaíba - uma revisão das atuais perspectivas exploratórias Parnaíba Geológico Bacoccoli FOMENTO 2001 PÚBLICO
    Interpretação e Mapeamento dos Sistemas Petrolíferos da Bacia de Campos Tomo 1 e Tomo 2 Campos Geológico Unesp FOMENTO 2006 PÚBLICO
    Interpretação e Mapeamento dos Sistemas Petrolíferos da Bacia de Santos Tomo 1 ; Tomo 2 e Tomo 3 Santos Geológico Unesp FOMENTO 2001 PÚBLICO
    The petroleum geology of the Santos basin, Brasil - Phase II Deepwater Santos Geológico CORE LABORATORIES SALES N.V NÃO EXCLUSIVO 2003 PÚBLICO
    Modelagem 3D do sistema petrolífero e risco exploratório na Bacia do Espírito Santo Espírito Santo Geológico HRT NÃO EXCLUSIVO 2005 PÚBLICO
    Mapeamento, Sistemas Petrolíferos e Modelagem Quantitativa da
    Bacia de Camamu - Alamada
    Índice geral e Índice tabelas e figuras
    Camamu-Almada Geológico UFRJ/COPPE FOMENTO 2001 PÚBLICO
    Modelagem 3D do sistema petrolífero e risco exploratório na Bacia de Campos Campos Geológico HRT NÃO EXCLUSIVO 2005 PÚBLICO
    Santos Basin Oil Study Santos Geoquímico GSI NÃO EXCLUSIVO 2001 PÚBLICO
    Mapeamento e Análise Quantitativa dos Sistemas Petrolíferos das Bacias de Jequitinhonha e Jacuipe Volume I e Volume II Jequitinhonha e Jacuípe Geológico UFRJ/COPPE FOMENTO 2005 PÚBLICO
    Identificação e Caracterização De Sistemas Petrolíferos na Porção Marinha da Bacia de Pernambuco-Paraíba Pernambuco-Paraiba Geoquímico Oceansatpag/ANP FOMENTO 01/12/2005 PÚBLICO
    Sergipe-Alagoas crude oil study Sergipe-Alagoas Geoquímico GSI NÃO EXCLUSIVO 2008 PÚBLICO
    Modelagem 3D do sistema petrolífero e risco exploratório na Bacia de Santos Santos Geológico HRT NÃO EXCLUSIVO 2005 PÚBLICO
    Estudo dos Sistemas Petrolíferos - Bacia de Pelotas Volume I; Volume II e Volume III Pelotas Geológico UFRGS FOMENTO 2008 PÚBLICO
    Bacia de Campos - Source Rock Study Campos Geoquímico GSI NÃO EXCLUSIVO 2002 PÚBLICO
    Levantamento aerogeofísico para a identificação de áreas com ocorrência potencial de petróleo e gás na bacia do parnaíba volume I Parnaíba Geofísico USP FOMENTO 2007 PÚBLICO
    RESERVOIR QUALITY OF THE COASTAL BASINS OF SOUTHEAST BRAZIL Campos, Santos and Espírito Santo  Misto Robertson/Expetro NÃO EXCLUSIVO 2003 PÚBLICO
    A REGIONAL EVALUATION OF CRETACEOUS CARBONATES IN THE S.E. BRASILIAN MARGIN Santos, Campos, Espírito Santo e Mucuri Geológico Core Laboratories Sales N.V. NÃO EXCLUSIVO 2005 PÚBLICO
    SEQUENCE STRATIGRAPHY: SOUTHEAST COASTAL BASINS - BRAZIL  Campos, Santos and Espírito Santo  Geológico Robertson/Expetro NÃO EXCLUSIVO 2001 PÚBLICO
    SEQUENCE STRATIGRAPHY, SOUTHEAST COASTAL BASINS, BRAZIL: PHASE II - DEEPWATER  Campos, Santos and Espírito Santo  Geológico Robertson/Expetro NÃO EXCLUSIVO 2004 PÚBLICO
    Sistemas Petrolíferos das Bacias da Margem Leste do Brasil Espirito Santo, Mucuri, Cumuraxatiba, Jequitinho, Camamu-Almada e Sergipe- Alagoas Geológico Insight  NÃO EXCLUSIVO 2002 PÚBLICO
    PETROLEUM SYSTEM OF POTIGUAR BASIN Potiguar Geológico DPC & Assoc. NÃO EXCLUSIVO 2005 PÚBLICO
    Estudo dos sistemas Petrolíferos Recôncavo, Tucano e Jatobá Geológico UFBA FOMENTO 2008 PÚBLICO
    Petroleum Systems of the Solimões - Amazonas Basins, Brazil Amazonas e Solimões Geológico Insight  NÃO EXCLUSIVO 2002 PÚBLICO
    Mapeamento e Modelagem dos Sistemas Petrolíferos Cumuxuratiba e Espírito Santo Cumuxuratiba e Espírito Santo Geológico COPPE FOMENTO 2008 PÚBLICO
    Brazilian Equatorial Margin Project – Upper Cretaceous and Tertiary Turbidites
    Parte 1 e Parte 2
    Margem Equatorial Geológico Nupetro/Gorceix FOMENTO 2003 PÚBLICO
    Great Campos Basin Biostratigrapic Project 2002 CAMPOS, ESPIRITO SANTO, SANTOS Geológico GSI NÃO EXCLUSIVO 2003 PÚBLICO
    Crude Oil Study of the Solimões ans Amazonas Basin Amazonas Solimões Geoquímico GSI NÃO EXCLUSIVO 2003 PÚBLICO
    Estudos de Óleos - Bacias Centrais (versão revisada) Sergipe-Alagoas, Recôncavo, Camamu-Almada e Cumuruxatiba Geoquímico GSI NÃO EXCLUSIVO 2004 PÚBLICO
    Piston Core Foz do Amazonas Foz do Amazonas Geoquímico TDI&CP+ FOMENTO 2015 PÚBLICO
    Avaliação do Potencial Petrolífero da Bacia Pernambuco-Paraíba Pernanbuco - Paraíba Geológico UFRN FOMENTO 2001 PÚBLICO
    Reavaliação Geológica da Porção Baiana da Bacia de São Francisco: Estratigrafia de Sequências, Sismoestratigrafia e possíveis implicações para sistemas petrolíferos SÃO FRANCISCO Geológico UFBA FOMENTO 2014 PÚBLICO
    Prospecção Geoquíma de Superfície nos Blocos Exploratórios SEAL-T-340; SEAL-T-426 e SEAL-T-434 Sergipe-Alagoas Geoquímico QUANTRA EXCLUSIVO 2007 PÚBLICO
    Basin and Petroleum Systems Modeling in Central/ Northern Campos and Espirito Santo Basins ESPIRITO SANTOS, CAMPOS Geológico PGT NÃO EXCLUSIVO 2004 PÚBLICO
    Revisão Geologica e Reavaliação dos sitemas petrolíferos da Bacia Sergipe-Alagoas Sergipe-Alagoas Geológico UFRN FOMENTO 2008 PÚBLICO
    Petroleum Systems of Brazil Solimões, Amazonas, Parnaíba, Paraná, Foz do Amazonas, Barreirinhas, Ceará, Potiguar, Sergipe Alagoas, Tucano, Reconcavo, Camamu Alamada, Jequitinhonha, Cumuruxatiba, Espirito Santo, Campos e Santos  Geológico MV Dauzacker Petroleum Consultant and Associates Ltda. NÃO EXCLUSIVO 2001 PÚBLICO
    Petroleum Systems of the Southeastern Margin of Brazil Santos and Campos Basins  SANTOS, CAMPOS Geológico Insight  NÃO EXCLUSIVO 2002 PÚBLICO
    Petroleum Systems of the Equatorial Margin of Brazil: Potiguar, Ceará, Barreirinhas, Foz do Amazonas e Pará-Maranhão Basins Potiguar, Ceará, Barreirinhas, Foz do Amazonas e Pará-Maranhão  Geológico Insight  NÃO EXCLUSIVO 2002 PÚBLICO

    Confidencialidade dos dados

    Os dados e informações técnicas adquiridas nas atividades de exploração e produção de petróleo e gás natural nas bacias sedimentares brasileiras estão sujeitos a um período de confidencialidade.

    Os dados confidenciais armazenados no BDEP não são disponibilizados a não ser que o solicitante seja o adquirente dos dados ou em outras condições especificadas na Resolução ANP n° 11/2011. Os dados públicos podem ser acessados por qualquer pessoa física ou jurídica interessada.

    A tabela abaixo resume o período de confidencialidade dos dados técnicos armazenados na ANP:

    Outras condições, além do tempo decorrido desde a conclusão da aquisição dos dados, que alteram a confidencialidade:

     

Fim do conteúdo da página
>